Surto epidêmico

Baixada Santista fica em alerta sob risco de casos de febre amarela

Ameaça de contaminação na temporada preocupa prefeituras da Baixada Santista e o Ministério da Saúde

02 de dezembro de 2018 - 10:45

Felipe Rey

Compartilhe

O verão está chegando e com ele os perigos de contaminação por febre amarela aumentam.

Das quatro maiores cidades da região, apenas Santos e Praia Grande não relataram casos de contaminação pela doença.

Guarujá e São Vicente já informaram dois casos cada. Das cidades contaminadas, apenas Guarujá relatou um caso de morte em decorrência ao vírus este ano.

Segundo a Prefeitura de Santos, a cidade não registra casos desde 1998.

A Administração lembra ainda que os casos de febre amarela notificados no Município foram de turistas vindos de São Paulo e São Vicente.

Ambos foram tratados em hospitais regionais.

No entanto, neste ano, já foram vacinadas 163 mil pessoas. Ou seja, o número corresponde a quase 15% da população (430 mil habitantes).

A estimativa da pasta é que 90% da população santista já tenha tomado a vacina alguma vez na vida, estando protegida, portanto, contra a doença.

Por fim, segundo indicam os dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização até o ano passado mais de 300 mil doses contra a febre amarela já foram aplicadas na Cidade.

Somente na campanha realizada em Santos em 1999, foram 269 mil doses e, em 2008, quase 20 mil. Além da média de 4 mil vacinados por ano.

Ampliação ao combate

No entanto, a secretaria afirma que devido a chegada de turistas na temporada ampliou, já em 2017, de dois para quatro o número de postos de vacinação aos munícipes que viajarão para áreas endêmicas da doença.

Assim, a partir da quinta-feira (6) haverá vacinação no Centro de Saúde Martins Fontes (Rua Luiza Macuco, 40), das 9h às 13h.

E também na unidade da Ponta da Praia (Praça 1º de Maio s/n°), das 16h às 19h.

O atendimento ocorre sempre de segunda a sexta e prossegue nas policlínicas da Vila Mathias (Rua Xavier Pinheiro, 284), das 9h às 13h.

E ainda na Aparecida (Av. Pedro Lessa, 1.728), das 11h às 15h.

Neste caso, é preciso levar documento oficial de identificação com foto e carteira de vacinação

“O Município está realizando todas as ações indicadas pelos órgãos de Vigilância em Saúde, estadual e federal, como a ampliação dos postos de imunização e vigilância nos casos de macacos encontrados mortos no território. Também estamos concluindo o Plano de Prevenção e Combate às Arboviroses de 2019”, explica Marcelo Brenna do Amaral, chefe em substituição do Departamento de Vigilância em Saúde.

“Assim, detalhando todo o planejamento relacionado à prevenção; vigilância e atendimento dos casos de febre amarela. Além da dengue, zika e chikungunya”, enfatiza.

 

Risco de contaminação por febre amarela irá aumentar neste verão. Foto: Divulgação

Municípios em risco

A cidade de Praia Grande também é outra que está combatendo a febre amarela de forma intensa.

Segundo a Prefeitura local, técnicos da Secretaria de Saúde realizam visitas domiciliares de agentes controladores das larvas, tanto para o Aedes, quanto ao mosquito transmissor da febre amarela.

“Campanhas educativas nas unidades de saúde e escolas municipais também fazem parte das atividades. As medidas serão intensificadas a partir de dezembro e em 2019”, ressalta.

Por fim, a Administração Municipal informa que apenas neste ano já foram vacinadas, aproximadamente, 115 mil pessoas na cidade.

A vacina está disponível em todas as Usafas, de segunda a sexta, das 9h às 16h.

Em Guarujá, apenas neste ano, já ocorreram 11 casos de suspeita de contaminação, além de uma morte já confirmada.

No ano anterior, não aconteceram casos de contaminação ou suspeita, o que levou a pasta a se preocupar com a ampliação ao combate do mosquito.

Contudo, segundo a secretaria de saúde da cidade, a imunização contra a febre amarela nas Unidades de Saúde da Atenção Básica e Centro de Atividades Comunitárias (Caecs) contam com a ajuda de alunos do município.

Foram aplicadas cerca de 183 mil doses da vacina contra a febre amarela, o que significa de 66,25% da meta que é 95% de cobertura vacinal.
A Prefeitura de São Vicente também intensificou os trabalhos contra a febre amarela.

De acordo com a pasta, “a Sesau realiza ações de rotina com sensibilização e orientação da população sobre a importância da imunização contra a doença”.

Como Guarujá, o município não registrou qualquer contaminação no ano anterior, como neste ano.

No entanto, os casos registrados neste ano preocupam a pasta, com duas pessoas infectadas. Já foram vacinadas 8.812 pessoas.

Arte: Mala

Ênfase à vacinação

Para o médico infectologista, Evaldo Stanislau, a Prefeitura de Santos deverá cuidar totalmente das vacinações na Cidade.

Segundo ele, diferentemente das outras arboviroses, essa é uma doença que tem uma vacina 100% eficaz.

Ele não acredita que seja possível uma epidemia de febre amarela na região.

Entretanto, o profissional classifica que a pasta terá dois desafios a seguir nessa caminhada contra o mosquito.

“O primeiro é não ter a epidemia. O segundo é treinar os profissionais em como suspeitar, diagnosticar e tratar os casos de Febre Amarela”, enfatiza.

O infectologista ainda salienta que se for registrado apenas um caso na Cidade já será considerado grave. Devido ao fato de se tratar de doença grave e de alta letalidade.

Stanislau explica que o descaso da população com as vacinações são apenas reflexos da postura das autoridades locais. Para ele, em muitos momentos, as próprias autoridades de saúde negligenciaram o problema e deram informações contraditórias sobre a vacina.

E isso provoca temor na população, que recusa em se vacinar muitas vezes.

Números preocupam

O número de pessoas contaminadas pela febre amarela preocupa.

De acordo com mais recente boletim epidemiológico, de 1º de julho a 8 de novembro deste ano, foram notificados 271 casos humanos suspeitos de febre amarela no País.

Do total, 150 foram descartados, 120 permanecem em investigação e apenas 1 foi confirmado.

Contudo, também neste período, foram notificadas 1.079 epizootias em primatas não humanos.

O novo período de monitoramento é de 1º de julho de 2018 a 30 de junho de 2019.

Segundo o Ministério da Saúde, devido ao grande contingente de pessoas no estado de São Paulo que não foram vacinadas contra o vírus, o Ministério alerta a população sobre o grande risco de infecção.

“Desde o surto registrado em dezembro de 2017, a vacinação para febre amarela foi ampliada para 4.469 municípios”, explica a pasta.

A ampliação foi feita, segundo o Ministério, após a inclusão de 940 cidades localizadas próximas das capitais e regiões metropolitanas. Incluindo, também a Baixada Santista.

Portanto, a cobertura vacinal deve ser de, no mínimo, de 95% da população, informou a secretaria.

Neste ano foram enviadas, a todo o País, 30 milhões de doses da vacina.