Comércio

Consumidores vão comprar presentes entre R$100 e R$200 para o Natal

Levantamento realizado pelo Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista também revela expectativa dos lojistas para as vendas de Natal

05 de dezembro de 2018 - 16:17

Da Redação

Compartilhe

A intenção de quem vai presentear no Natal este ano é adquirir produtos com ticket médio de R$100,00 a R$200,00. Essa é a preferência de 29% dos participantes que responderam à pesquisa realizada pelo Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista (SincomércioBS).

Artigos com valor abaixo de R$100,00 são a pedida de 27% e, para 17%, o custo deverá ficar em volta de R$200,00 e R$300,00.

A pretensão de desembolsar acima de R$400,00 simboliza 15%, enquanto 12% procuram aquisições na faixa de R$300,00 a R$400,00.

Dos que irão às compras, 20% planejam dividir o orçamento com mais de cinco objetos para familiares e amigos, mesma porcentagem daqueles que gastarão com apenas quatro.

Os que não sabem ao certo o número de mercadorias, chegam a 29%.

Também representados, estiveram os que investem em 3 (15%), 2 (12%) e 1 (5%).

Os mais procurados devem ser os itens de vestuário (58%) e perfumes e cosméticos (27%).

Avaliação também demonstrada por aqueles que ainda não se decidiram (27%).

Foram mencionados, ainda, brinquedos (25%), bolsas e acessórios (17%) e óculos (10%).

Jóias e bijuterias, casa, mesa e banho, eletrodomésticos e livros, pontuaram em 2% cada. Móveis, eletrônicos e de utensílios de informática não foram citados.

Sugestões

No questionário, havia a possibilidade de selecionar uma ou mais sugestões.

Caracterizadas como maior atrativo em um comércio na hora de fechar o negócio, estão as promoções e liquidações (59%), mas o bom atendimento também tem destaque para os entrevistados (56%).

Uma vitrine bem arrumada instiga 27%, enquanto outros 22% são atraídos por inovações no mercado.

Por fim, as propagandas na TV, jornais e rádios (5%) e nas redes sociais (7%) conquistaram espaço reduzido nas alternativas.

Era possível adicionar múltiplas escolhas.

Dos 24% consumidores que investirão na compra de enfeites natalinos, 70% pensam em manter a quantia em R$ 50,00 a R$ 100,00, enquanto 30% não passarão de R$50,00.

A partir de R$100,00 não houveram manifestações.

O dinheiro será a principal modalidade de pagamento, de acordo com 45% das pessoas. Outras 35% utilizarão cartão de crédito e, 20%, o cartão de débito.

As lojas físicas ainda são a primeira opção do cliente regional (64%), com e-commerce sinalizando o interesse de 12%.

Os que são indiferentes somam 24%.

 

Expectativa é de melhoria de vendas neste final de ano. Foto: Arquivo /PMS

Perspectiva de aumento

 A grande maioria dos empreendedores ouvidos é de Itanhaém (65%), seguido por Santos (35%).

Os segmentos com presença mais marcada foram o das roupas (60%), calçados (30%) e de natureza diversa (15%).

Foram citados, ainda, os das livrarias (5%), cama, mesa e banho (5%) e cosméticos (5%).

Para 80% dos empresários da região, a estimativa para o Natal, em comparação ao ano passado, é de aumento.

Os 20% restantes evidenciaram acreditar que o nível de consumo deve se manter o mesmo e não houve indicação de queda durante o período.

Cerca de 44% dos que contam com crescimento, esperam que o lucro infle até 5%, enquanto 19% aguardam um faturamento de 5% a 10%.

Melhora que vá de 10% a 15% na receita do estabelecimento é a provável realidade para 19% e, aqueles que preveem ampliação superior a 15%, totalizam 18%.

As principais ações realizadas para chamar a atenção do consumidor são a implantação de novos produtos (90%), decoração especial (75%) e divulgação em mídias digitais (60%).

Treinamento de funcionários também recebe adesão (20%), bem como propagandas em TV, rádio e jornais (20%).

Os comerciantes podiam escolher uma ou mais iniciativas.

Foi abordada pela análise, ainda, a importância do horário de verão no desempenho das lojas.

Para 80% dos administradores, a medida tem impacto positivo, enquanto 20% não identificam qualquer efeito.

“Trata-se da data comemorativa que mais movimenta o ramo varejista. Por isso, é o momento ideal para que o comércio se organize e invista em boas ideias e criatividade para potencializar seus ganhos.”, afirma o presidente do Sindicato, Omar Abdul Assaf.

A pesquisa foi realizada durante os dias 21 e 30 de novembro de 2018, com 60 indivíduos. Nas nove cidades da Baixada Santista e possui caráter quantitativo, pelo método de levantamento com amostra aleatória simples e estratificada.

LEIA TAMBÉM: