Editorial
Humberto Challoub

Jornalista e Diretor de Redação do Jornal Boqnews. Diretor da Faculdade de Artes e Comunicação da Unisanta

Abandono da docência

As razões para esse crescente desinteresse pela carreira docente há muito estão evidenciadas pela deficiência latente do sistema educacional brasileiro

11 de julho de 2018 - 11:00

Compartilhe

Relatório recente elaborado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), denominado Políticas Eficientes para Professores, constatou que no Brasil cada vez menos jovens querem seguir a carreira docente. Hoje, apenas 2,4% dos alunos de 15 anos têm interesse na profissão, enquanto que há dez anos esse índice atingia 7,5%.

As razões para esse crescente desinteresse pela carreira docente há muito estão evidenciadas pela deficiência latente do sistema educacional brasileiro, que hoje revela uma face ainda mais preocupante: a ausência de professores com competência e disposição para forjar gerações melhor preparadas para as exigências atuais e futuras.

Diversos outros indicadores também não deixam dúvidas de que décadas de negligência governamental, salários baixos e relatos de condições de trabalho inadequados afastaram da docência a maioria das pessoas com os melhores desempenhos enquanto estudantes.

Nas últimas décadas, a procura por cursos de formação pedagógica e licenciatura foi reduzida de forma significativa, um hiato que, sem dúvida, produzirá reflexos ainda mais prejudiciais em um um futuro breve. O êxodo de qualidade em um setor essencial para o País estimula o motocontínuo da ignorância e provoca consequências mais sérias no Ensino Médio, onde a complexidade dos conteúdos ministrados exige profissionais com formações específicas e aprofundadas.

Sem opção, as escolas não conseguem preencher quadros de professores, deixando salas vazias ou obrigando docentes de uma área a improvisar em outras para as quais não têm formação adequada.

A baixa qualidade do setor educacional está igualmente evidenciada quando se constata que pouco mais de um terço dos alunos do último ano do Ensino Fundamental sabem ler e escrever de acordo com o esperado para a série (uma mesma defasagem também verificada no aprendizado de Matemática, no caso dos alunos do 9º ano).

Torna-se, portanto, urgente a tarefa de contemplar as demandas salariais para tornar o setor educacional atrativo – na comparação com os demais segmentos profissionais – e, principalmente, capacitar professores para elevar a qualidade do ensino ministrado, com a oferta de condições técnicas e estruturais.

O aperfeiçoamento do corpo docente resultará, por consequência, na melhoria da formação ética e moral das futuras gerações de brasileiros, hoje influenciados pelo descaso das autoridades públicas e sem qualquer referência que lhes dêem parâmetros para construção de uma sociedade alicerçada em conceitos de eficiência, culto à sabedoria e de respeito aos valores de humanidade e cidadania.