Editorial
Humberto Challoub

Jornalista e Diretor de Redação do Jornal Boqnews. Diretor da Faculdade de Artes e Comunicação da Unisanta

Etapa inicial a superar

A todos, sem exceção, interessa o sucesso do novo governo que ora se inicia, uma vez que seus bons resultados serão benéficos ao conjunto da sociedade brasileira

07 de janeiro de 2019 - 16:58

Compartilhe

Após receber a faixa presidencial do ex-presidente Temer, o presidente eleito Jair Bolsonaro enfrentará, a partir de agora, o grande desafio de alcançar as metas estabelecidas para os quatro anos de seu governo.

Além dos audaciosos projetos dirigidos a resolver os principais problemas enfrentados há décadas pelo País – especialmente os que envolvem as áreas sociais e de segurança pública -, ele terá que, em um primeiro momento, sobrepor com seu estilo próprio o legado populista construído pelos governos petistas.

Sem dúvida, pelo perfil espontâneo e sem meias palavras, o novo presidente não terá muitas facilidades para superar as dificuldades inerentes ao início de mandato, momento em que se conhecerá, na fria realidade do cotidiano palaciano, sua real competência em unir ideais antagônicos, atender demandas clientelistas e superar com destreza os inevitáveis comparativos que haverão de ser feitos com seus antecessores.

Não será uma tarefa fácil, especialmente porque contra seu governo incorrerão a inexperiência política de boa parte de seus ministros e a escassez de recursos disponíveis para colocar em prática, de forma imediata, seus principais planos de governo.

Da mesma forma, a necessidade de promoção de um ajuste fiscal este ano obrigará a realização de cortes de gastos em diversas áreas da administração, exigindo a adoção de medidas impopulares, o que colocará em xeque sua capacidade em lidar com os antagonismos que permeiam o universo político.

Restará portanto a Bolsonaro seguir sua intuição, ser criativo e demonstrar firmeza de propósitos para colocar em ação seu ambicioso desejo de elevar o patamar econômico e social do País, priorizando investimentos em infraestrutura, na educação, na preservação do meio ambiente e na melhoria do atendimento nas áreas de saúde pública, segurança e assistencial.

Há de se recordar que tantos outros governantes tiveram o mesmo dissabor no início de seus mandatos e souberam entender que o cargo exercido delega direitos incontestáveis, mas impõe deveres institucionais que incluem a obrigação de dar total transparência e a devida publicidade aos atos praticados na função. Com Bolsonaro não será diferente.

A ele foi dado o voto de confiança subscrito por milhares de brasileiros, uma outorga que deve ser entendida como o apoio necessário para colocar em curso todas as medidas propaladas durante a campanha.

A todos, sem exceção, interessa o sucesso do novo governo que ora se inicia, uma vez que seus bons resultados serão benéficos ao conjunto da sociedade brasileira, especialmente aos que ainda permanecem à sua margem.