Coluna 3
Jairo Sergio de Abreu

Namoro estremecido I

Os bastidores da política santista e regional na coluna do jornalista Jairo Sérgio

13 de novembro de 2017 - 18:10

Compartilhe

Prefeito Paulo Alexandre Barbosa sofreu derrota na Câmara e assim terá que prestar contas do seu governo no Legislativo anualmente. Foto: Boqnews

O prefeito Paulo Alexandre (PSDB) raramente enfrenta dissabores com o Legislativo. Tanto no atual como no mandato anterior. Mas na sessão de quinta (9), sofreu uma derrota acachapante, a respeito do projeto encaminhado à Casa que alteraria o artigo 58-A da Lei Orgânica do Município. Ele pedia que fosse retirada a obrigatoriedade do governante em comparecer à Câmara para apresentar seu Programa de Metas, deixando a função para assessores/secretários.

Namoro estremecido II
Os vereadores não gostaram da proposta, cuja aprovação – após pedidos da sociedade civil, via Fórum da Cidadania e encampada pelo vereador Sadao Nakai (PSDB) no ano passado – ocorreu há menos de um ano. Pela lei, o governante tem até 90 dias de sua posse e depois ao final de cada ano para divulgar suas metas e depois os resultados.

Namoro estremecido III
Não sobraram críticas ao prefeito. Benedito Furtado (PSB) chegou a citar que a emenda à Lei Orgânica do Município era, no mínimo, indelicada. “A soberba está andando de salto alto no Palácio José Bonifácio”, disparou.

Namoro estremecido IV
O líder do Governo, Ademir Pestana (PSDB), tentou apaziguar os ânimos, mas, constrangido, viu o Governo ser derrotado de forma vergonhosa. Foram 10 votos contrários à alteração e 3 favoráveis (vários vereadores se ausentaram na hora H. O que temem?). Resultado, “o projeto foi rejeitado para que o prefeito venha a esta Casa para prestar contas à sociedade”, encerrou Fabrício Cardoso (PSB), que conduzia a sessão. O episódio sinaliza que o namoro entre Executivo e Legislativo anda bem estremecido. Resta saber as consequências futuras…

Mina de ouro I
Com um orçamento reduzido – o que pode equivaler a uma queda de R$ 114 milhões na comparação com a previsão deste ano (levando em consideração a redução orçamentária de 1,2% e a inflação, prevista em 3%), as emendas parlamentares as quais os edis têm direito viraram um ‘mina de ouro’.

Mina de ouro II
Cada vereador terá à disposição R$ 694.380,95 para indicar às instituições e entidades municipais. A metade deste montante (R$ 347.190,43) deverá ser destinada à Saúde. Em suma, são quase R$ 7,3 milhões que os 21 vereadores poderão fazer as devidas indicações. Em tempos de vagas magras, os valores a serem empenhados ganharam um brilho maior. Na segunda (13), os edis iniciam as dicussões. Até agora, 364 emendas já foram apresentadas. O comando dos debates ficará a cargo do presidente da Comissão de Finanças e Orçamento, Antonio Carlos Banha Joaquim (PMDB).

Em outra praia
Ex-vereador e candidato a vice-prefeito na eleição passada, o médico Evaldo Stanislau recebeu convites para ingressar no PDT e no Podemos (ex-PTN). No entanto, ele prefere aguardar, apesar de não descartar voltar à carreira política no futuro, inclusive em uma eventual disputa pelo Palácio José Bonifácio. “Mas, por enquanto, minha decisão é a ciência e a cidadania”, diz o profissional, que em breve passará a dividir o tempo em hospitais e consultórios com as aulas na futura faculdade de Medicina em Guarujá (Unoeste).

Admiração mútua
Nossas condolências à família do jornalista Carlos Mauri Alexandrino, profissional de boa cepa, um tanto raro nos dias atuais. Convivemos durante o escândalo do Mar de Lama, em Cubatão, nos anos 80. Eu, assessor de imprensa, ele repórter do extinto Cidade de Santos. Respeito e ética produziram admiração mútua. Deixará saudades…

QUEM RESPONDE

Qual…
linha de raciocínio os empresários e trabalhadores terão que ter diante de tanta desinformação sobre a posição dos magistrados em relação à nova lei trabalhista?

 

FRASE DA SEMANA

“Pensar é o trabalho mais difícil que existe. Talvez por isso tão poucos se dediquem a ele” – Henry Ford, fundador da Ford