Competição

Jovem santista é promessa para atletismo brasileiro

Com apenas 19 anos, João Magalhães já detém recordes em competições nacionais e internacionais. E sonha participar das Olimpíadas de 2020, em Tóquio.

12 de dezembro de 2018 - 12:49

Felipe Rey

Compartilhe

Abandonar o sonho de ser jogador de futebol e se projetar ao atletismo pode se transformar em uma missão arriscada.

No entanto, o jovem João Magalhães, de 19 anos, mostrou que é possível alçar voos altos nesse esporte.

Magalhães estava em Portugal há cinco meses.

No entanto, começou a pensar em voltar ao Brasil e se dedicar às corridas.

Na época, ele atuava como volante pelo Futebol Clube da Maia, na cidade do Porto.

Em 2016, o atleta chegou a jogar nas categorias de base do Santos FC.

Ele relembra que, enquanto ainda estava na Europa, não sabia como informar aos pais que estava decidido a voltar a Santos, no litoral paulista, e abandonar o contrato com o time português.

“Em novembro do ano passado foi quando eu pensei em contar a todo mundo que a corrida é o que eu quero levar para minha vida”, afirma o ultramaratonista.

Na visão do atleta, não foi fácil avisar aos pais que iria voltar e mudar a trajetória de carreira.

Ele salienta que já havia competido duas vezes na modalidade.

A primeira delas foi em 2017 nos 10km da Tribuna-FM.

Na estreia, sagrou-se campeão da categoria 18-19 anos.

Além disso, faturou o título do Santista de Pedestrianismo na mesma categoria.

Ele ainda conquistou o recorde na 7ª Corrida Vertical – Escadaria do Monte Serrat.

E também o vice-campeão da Maratona Internacional de Peruíbe, ambos nem 2018.

 

O jovem atleta conquistou o recorde da prova. Foto: Divulgação

Argentina

Magalhães havia morado algum período fora do País para competir no disputado futebol europeu.

Contudo, a maior batalha foi disputada durante a última maratona, em 18 de novembro passado: a XTreme Race 2018, em Córdoba, na Argentina.

E demonstrou que a curta carreira do santista está se sendo desenhada de forma meteórica.

Treinado por Valmir Nunes, considerado como um dos maiores atletas da modalidade, Magalhães destaca que a prova foi a mais disputada desde que iniciou no atletismo.

“Foi no meio da floresta e tem 7 mil ganhos de elevação. Percorremos oito montanhas. Eu não estava acostumado”, salienta.

Ele explica que, por apenas realizar provas de performance, ou seja, que é possível correr a todo o instante, o desgaste na XTreme foi maior.

O santista relata, ainda, que para esse tipo de prova é de extrema ajuda levar mantimentos para conseguir ir bem.

A prova, que aconteceu na província de Huerta Grande, consagrou o jovem atleta como campeão da modalidade 18-19 anos.

Na classificação geral, Magalhães ficou em 3º colocado, atrás apenas de Fernando Quiroga e Maximiliano Lopes.

“Na prova, você precisa pular pedras, escalar. E como a largada é a noite, então precisa correr de lanterna. Ainda precisa levar seus próprios mantimentos”.

 

João Magalhães terminou em terceiro colocado geral na prova da Argentina e em primeiro na categoria 18-19 anos. Foto: Reprodução/XTreme

Futuro do esporte

Mesmo sendo jovem, carregar o título de futura promessa do Brasil no atletismo não incomoda o atleta.

Segundo ele, a nomenclatura o deixou mais feliz.

Vale ressaltar que o título do futuro do atletismo foi dado após a vitória na Ultramaratona Bertioga-Maresias, com o tempo de 5 horas 6 minutos e 20 segundos de prova.

Assim, na ocasião, ele estabeleceu o tempo mais rápido junto ao companheiro de equipe Rodrigo Santejo.

O atleta da Unimes/Tupy/Memorial/Fupes afirma que o maior sonho da carreira é ser campeão mundial dos 100 quilômetros e, assim, “dar muita felicidade em torneios mundiais da modalidade”.

Outro aspecto é que a pressão sofrida apenas o motiva mais a querer treinar todos os dias.

“Muitos sabiam que eu havia trabalhado muito para essa competição. Outros já nem sabiam o que eu treinava. Quando acabei batendo o recorde, alguns ficaram surpresos, outros não”, relembra.

Magalhães não nega que, desde que começou a correr, o maior objetivo era ser campeão mundial.

Neste caso, a partir de 2019, mais um passo rumo ao sonho será dado.

 

Maratonas oficiais

Em 2019, já podendo competir em maratonas oficiais do Brasil, ele espera dar trabalho para corredores mais experientes na modalidade.

Outro passo que ele também espera conseguir é o índice para disputar a maratona nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

No entanto, para ele, todos esses recordes e vitórias são frutos dos dois treinos diários que realiza.

Porém, o jovem relata que muitas vezes abdica de sair com os amigos ou de frequentar determinados locais para se preparar aos treinamentos

“Tudo que a gente faz com amor e que nos dedicamos sai mais fácil”, diz Magalhães, que divide os treinos com os estudos no curso de Educação Física, em Santos.

LEIA TAMBÉM: