Futebol

Mais de um terço dos moradores da Baixada torce para o Santos FC, diz pesquisa

Na cidade-sede do clube, índice chega a quase 50%; porém, Peixe não é unanimidade nos nove municípios da Região

17 de outubro de 2014 - 20:29

Douglas Luan

Compartilhe

A torcida do Santos Futebol Clube foi a única que aumentou de forma significativa na Baixada Santista nos últimos quatro anos, passando de 30,8% em 2014 para 36,4% em 2014. É o que aponta a pesquisa realizada pela Enfoque Comunicação/Boqnews entre os dias 26 de setembro a 1º de outubro nas nove cidades da região com 1.452 entrevistados acima de 16 anos. (Veja os dados completos no quadro acima). Foi o único time que cresceu acima da margem de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou menos. Os demais sofreram pequenas variações, mas todos dentro da margem de erro.

A maior parcela de torcedores do Santos FC está entre os homens (37,6%); jovens com idade entre 16 e 20 anos (45,2%); nível superior completo/incompleto (41,6%) e tem renda média de um a dois salários mínimos. A maior parcela dos torcedores do Alvinegro Praiano estão na cidade natal do clube: 48,4% dos santistas torce para o time do Rei Pelé. Vale lembrar que, quatro anos atrás, esse número era de 37,9%.

Segundo Amir Somoggi, especialista em marketing esportivo, o crescimento da torcida do Peixe nestes últimos anos se deve a presença de “ídolos e títulos”. “Times que não ganham e não têm referências dentro de campo não crescem. Esta tendência de aumento de torcedores está ligada diretamente a isso, a conquista de títulos neste período e a presença de jogadores como Neymar, Ganso e Robinho”, destaca.

A respeito da maior parcela da torcida santista estar entre jovens, Amir observa que é preciso trabalhar na fidelização. “Este é o desafio: quanto mais jovem, mais suscetível à mudança. Por isso, é preciso cativar essa molecada”.

A opção “Não torço para times brasileiros” aparece com 2,1% das citações, à frente até daqueles que afirmam torcer para o Flamengo. Na pesquisa de 2010, não havia esta pergunta. A maior parcela de entrevistados que escolheram esta resposta está entre aqueles que têm entre 60 e 69 anos.

quadro torcedor regiaob

Baixada “dividida”
Outro fato que chama atenção é de que o Santos, mesmo tendo a maior torcida da Baixada, não é unanimidade na região: em Bertioga, Cubatão, Peruíbe e Itanhaém há mais corintianos que santistas. A maior distância entre os dois clubes está no último município: 37,9% de torcedores do time de Parque São Jorge ante 22,7% do Peixe.

Amir Somiggi destaca que, quanto “mais longe da Vila Belmiro, menor o número de torcedores” do Alvinegro Praiano. “É fato que o raio de influência é forte quanto mais próximo da sede do clube. Há também que se destacar que estas cidades do Litoral Sul e Bertioga recebem muitas pessoas que viveram na Capital e na Grande São Paulo e se mudam por conta da qualidade de vida ou por conta do emprego. Eles já vem com um time ‘do coração’ e dificilmente mudam”, explica.

O especialista em marketing esportivo afirma que o resultado da pesquisa deve servir como base para as estratégias dos clubes, principalmente do Santos. “É preciso trabalhar para atrair mais sócios, principalmente o torcedor do Litoral Sul. Muito se fala em levar o time para São Paulo e interior. Mas deve-se pensar na região, que tem um potencial econômico fortíssimo. É mais fácil trazer um torcedor de Itanhaém para ver o Memorial das Conquistas e, na sequência, ver uma partida na Vila Belmiro do que buscar alguém em Ribeirão Preto”, exemplifica.

LEIA TAMBÉM: