Fazendo aniversário

Após 2 anos, calçada lateral ao Teatro Coliseu continua interrompida

Há dois anos, parte do reboco da fachada lateral do Coliseu caiu. De lá para cá, o problema só tem crescido. Prefeitura anuncia que reforma está programada para 2019

23 de novembro de 2018 - 07:23

Da Redação

Compartilhe

Após dois anos, calçada lateral do Coliseu permanece fechada aos pedestres em razão de riscos de queda de rebocos. Foto: Nando Santos

 

Quem frequenta o Centro de Santos deve achar que a interrupção da calçada ao lado do Teatro Coliseu, na Rua Brás Cubas, já faz parte da paisagem.

Ledo engano.

Há dois anos (exatamente no dia 4 de novembro de 2016), um reboco se desprendeu do secular imóvel.

Na ocasião, a Administração informou que a Secretaria de Cultura estava fazendo o orçamento do reparo.

O tempo passou e o problema só tem crescido.

Além da interrupção da calçada, é possível ver outros pontos sem reboco e até rachaduras no imóvel, inaugurado em 1909.

 

No alto da edificação é possível perceber a queda de rebocos e até rachaduras. Foto: Nando Santos

 

Agora, a promessa é que o imóvel será novamente recuperado.

Isso porque o Coliseu ficou fechado por 10 anos para reforma, de 1996 a 2006.

No entanto, as obras devem iniciar só em 2019.

Vale lembrar que 2013 o espaço passou por manutenção em seu telhado em razão de infiltrações.

O serviço foi feito por construtoras de Santos, sem ônus à Municipalidade.

 

Só em 2019

Em nota, a Secretaria de Infraestrutura e Edificações informa que a calçada lateral do Teatro Coliseu, na Rua Brás Cubas, onde não há entrada para o edifício, foi interditada para garantir a segurança dos pedestres.

Segundo a pasta, o início da reforma e restauro do Teatro Coliseu deve ocorrer no primeiro semestre de 2019.

A Prefeitura finaliza edital para abertura de licitação para a obra com valor estimado de R$ 6,5 milhões.

Os custos são baseados em tabela oficial de serviços de arquitetura e engenharia.

Ao mesmo tempo o processo com o projeto e seus elementos técnicos concluídos tramita no Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Municipal (Condepasa) e Condephaat, pois trata-se de bem tombado.

Conforme a prefeitura, está programada a substituição e reparo das coberturas, restauro da fachada e de todas as esquadrias externas.

E ainda:  pintura do edifício anexo e também será atualizado o sistema de para-raios e modernizado o sistema de iluminação cênica da fachada.

Os serviços incluem ainda a recuperação da calçada do entorno, em concreto desempenado, no padrão Calçada para Todos.

Devem ocorrer ao longo de 12 meses.

 

Inaugurado em 1909, imóvel será deverá passar por nova reforma a partir do próximo ano, com verbas estaduais estimadas em R$ 6,5 milhões. Foto: Nando Santos

Parceria com o Estado

Desta forma, os recursos que serão utilizados na obra são fruto de convênio com o governo do Estado.

Assim, para obtenção da verba o projeto da Prefeitura passou pelo crivo do Conselho Municipal de Turismo.

E também do Conselho de Orientação e Controle do Fundo de Melhoria das Estâncias.

Assim, o dinheiro será liberado de acordo com o andamento da obra, mediante apresentação das planilhas dos serviços executados, após análise e fiscalização do Estado.