ETC
Homenagem

Dos gibis aos muros da escola Olavo Bilac, em Santos

Desenhos criados pelo artista Thiago de Almeida Reis eternizam a história sobre Olavo Bilac em escola centenária que o homenageia, no Campo Grande, em Santos (SP).

11 de julho de 2018 - 17:41

Da Redação

Compartilhe

No centenário do seu falecimento, Olavo Bilac (foto), o poeta parnasianista, ganhou uma homenagem para lá de especial em Santos.

Pelo menos na escola onde ele empresta seu nome, na esquina da Avenida Pinheiro Machado com Carvalho de Mendonça, no Bairro do Campo Grande, em Santos, no litoral paulista.

Há meses, a escola, que completou 137 anos em 13 de maio passado, presta homenagem ao poeta.

Na ocasião, houve o lançamento do gibi interativo Turma do Olavinho, idealizado e concebido pela educadora Marisa Rodrigues Pinho.

A Fundação Arquivo e Memória de Santos serviu como fonte de pesquisas.

Assim, ela cedeu imagens antigas para ajudar a compor a publicação.

Desta forma, o gibi mostra Bilac ainda criança e depois acompanhado de outros personagens ilustres, como Cecília Meireles, Benedicto Calixto e Vicente de Carvalho.

 

Verso do Hino à Bandeira, obra de Olavo Bilac. Fotos: Nando Santos

Olavo Bilac nos muros

O sucesso da empreitada foi tanto que o gibi ganhou os muros.

Literalmente.

A pedido da direção da escola, o artista plástico, Thiago de Almeida Reis, ou Almeida Reis, pintou mais de 40 metros de muros da centenária escola.

Durante pouco mais de 45 dias, Almeida Reis colocou nos muros uma parte da história do poeta e jornalista.

Versos de poemas, como o Hino à Bandeira, passagens ao longo de sua história e momentos retratados no gibi entregue aos seus cerca de 620 alunos compõem os desenhos.

Todos cuidadosamente trabalhados pelo artista.

Todo o muro da escola foi pintado tomando como base o gibi criado pela instituição em homenagem ao centenário da morte de Bilac

Quem passa pela movimentada calçada fica animado com o trabalho do profissional. Elogios não faltam.

“A gente fica contente com o resultado”, explica o profissional.

Ele também atua como professor de Artes da rede municipal de ensino.

Com pincel na mão, cada detalhe era retocado para prestar homenagem ao poeta no extenso mural que margeia todo o muro da escola.

Seu trabalho na Olavo Bilac não é o primeiro.

Já fez um amplo desenho na unidade municipal Edméa Ladewig, no Gonzaga. (ver foto abaixo)

Imagens coloridas enfeitam o muro da Edmea Ladewig, no Gonzaga. Mural feito por Almeida Reis. Foto: Divulgação

Motivo de sucesso que garantiu-lhe elogios.

O próximo trabalho artístico será na creche Maria Luiza Simões Ribeiro, no Saboó, ou na escola Oswaldo Justo, no Chico de Paula.

Oportunidades não faltam para embelezar e substituir os cinzentos muros por um colorido todo especial.

 

Almeida Reis, criatividade para transpor as ideias do gibi para os muros escolares. Foto: Nando Santos

Olavo Bilac e história

Nascido em 16 de dezembro de 1865 e falecido em 28 de dezembro de 1918, Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac foi um jornalista, contista, cronista e poeta brasileiro do período literário parnasiano.

Foi o considerado o maior neste estilo.

Foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras, estando à frente da cadeira 15 da instituição, cujo patrono é Gonçalves Dias.

Com atuação na literatura infantil e participação cívica, Bilac era republicano e nacionalista.

Foi responsável pela criação da letra do Hino à Bandeira.

Ficou famoso pela ferrenha oposição ao governo militar do marechal Floriano Peixoto.

Em 1907 foi eleito o ‘príncipe dos poetas brasileiras’ pela revista Fon-Fon.

 

 

 

LEIA TAMBÉM: