Saúde

Alimentação saudável influencia diretamente na vida pessoal

Nutricionista informa que é essencial passar nos profissionais para melhorar a saúde alimentar

29 de julho de 2018 - 16:00

Felipe Rey

Compartilhe

A adesão das pessoas para a alimentação saudável cresceu durante os últimos tempos.

Assim, a nutricionista Mariana Imbelloni relata que esse tipo de alimentação impacta, diretamente, na vida dos que aderem nesta prática alimentar.

A ingestão de alimentos saudáveis, como de frutas, verduras e legumes contribui para este cenário, especialmente se forem orgânicos.

Mariana ressalta que o ato de se alimentar bem resulta em um estilo de vida melhor e com mais longevidade.

Além de melhorar a saúde física e mental.

“Gera a diminuição ou manutenção do peso, além do aumento da disposição. Melhora o humor, fortalece os ossos, regula a liberação de hormônios e previne doenças”, salienta.

Também conta que, antigamente, parte da população não se preocupava com a inclusão dos alimentos mais saudáveis na rotina.

Outros eram apenas resistentes à ideia.

“Estudos indicam que, uma em cada cinco mortes, estão relacionadas a problemas na dieta, como obesidade, hipertensão e diabetes”, relata.

“Isso significa que promover a alimentação saudável é também uma forma de melhorar a saúde no País”, enfatiza.

Alimentação saudável – Dietas

Com a alimentação saudável, surgem, também, as dietas. Todavia, a procura pelo profissional especializado na área nutricional nem sempre é realizada.

Entretanto, há aqueles que optam por fazê-las por contra própria.

E, segundo Mariana, é essencial a ajuda do profissional para fazê-las.

“As dietas da moda quase sempre são uma grande ilusão e muitas pessoas fazem várias delas em um curto espaço de tempo, apenas porque viram uma celebridade ou um amigo dizendo que elas realmente funcionam”, destaca.

“No entanto, isso é um grande erro”, informa.

A nutricionista explica que a dieta consiste na rotina alimentar com poucos nutrientes e minerais.

Entretanto, em casos de dietas com exacerbada restrição, poderão ocasionar resultados acelerados, mas não contínuos.

A ida ao nutricionista é essencial para ter uma alimentação balanceada (Foto: Divulgação)

Low carb

Existem dietas restritas, entre elas a low carb.

Essa dieta consiste na redução do consumo de carboidratos.

Segundo a profissional, a dieta propõe reduções significativas de ingestões de carboidratos.

Quer dizer, na alimentação convencional, cerca de 50 a 55% da consumação são de carboidratos.

Mas, durante as low carb, a porcentagem decai, podendo ser menor que 30%.

“O regime se baseia mais na diminuição de consumo de carboidratos, facilitando o emagrecimento. Além da obtenção de um cardápio alimentar mais saudável”, ressalta.

Desse modo, quando ocorre a restrição dos nutrientes, o corpo passa a consumir a própria gordura. Assim, continua em funcionamento.

Dietas low carb consistem na redução da ingestão de carboidratos durante a alimentação (Foto: Divulgação)

A nutricionista explica que esse procedimento chama-se cetose.

“Estado metabólico em que o organismo substitui a glicose (principal fonte de energia nos corpos humanos) pelas reservas de gordura”, acrescenta.

As dietas low carb não precisam ser necessariamente 100% seguida, segundo ela. Além disso, não precisa ser praticada pela vida inteira.

O ideal para essas dietas é que após o resultado esperado, a conservação do corpo deva ocorrer com exercícios físicos e alimentações equilibradas.

Ao se voltar a consumir carboidratos, entretanto, deve-se consumir de maneira mais correta, aponta Mariana.

“Depois de sair do low carb comer bem é fundamental para manter o peso conquistado. Mesmo fora da dieta, você pode praticar as receitas low carb se quiser”, finaliza.

LEIA TAMBÉM: