Baleias

Arpoador

Em meio a decisão do Japão voltar com a caça às baleias, o jornalista e vereador Benedito Furtado escreve um sensível poema sobre o assunto.

27 de dezembro de 2018 - 17:55

Benedito Furtado

Compartilhe

 

Rasga, baleia, o mar que é teu,
somente teu,
teu e dos teus,
e não meu.
Foge.

Abraça, mar, a baleia que é tua,
somente tua,
eternamente tua,
e não minha.
Lhe dá guarida.

Rezo, rogo, nunca mais arpoador serás,
homem sem alma,
arpoador que nunca fui,
que jamais serei.
Chora pelos olhos dela, ser inclemente. Desculpa-te.

Mergulha, mergulha, mergulha,
gigante menina,
busca águas longínquas, profundas,
fuja de homens insanos;
ser perseguida é tua sina.

 

Benedito Furtado é jornalista e vereador em Santos (PSB).