Educação

Ensino bilíngue estimula conhecimento sobre outras culturas

O aprendizado de novas línguas ajuda o aluno a compreender e respeitar a cultura de outros países, além do aperfeiçoar habilidades cognitivas

11 de novembro de 2019 - 08:19

Ana Carol

Compartilhe

ensino bilíngue

A globalização e as tecnologias em constante avanço tornam essenciais para o aprendizado de outras línguas.

Em Santos, por exemplo, cidade turística e portuária, um segundo idioma atua como importante diferencial ao ingressar no mercado de trabalho.

Assim, para preparar crianças e jovens para futuras carreiras é cada vez mais comum a procura dos pais por um ensino bilíngue. Ou até trilíngue.

Em diversas escolas da Cidade, a proposta é oferecer ao estudante, no mínimo, uma imersão em dois idiomas, sendo um nativo e um secundário – geralmente o inglês.

Impacto positivo

Há quem acredite que o ensino simultâneo de idiomas pode confundir a criança e atrapalhar o seu desenvolvimento, especialmente as que estão no início da vida escolar.

Porém, na verdade, a experiência é boa para as habilidades cognitivas dela.

Além disso, o aprendizado acontece de maneira ainda mais natural, pois as duas formas de comunicação estão inseridas no cotidiano da criança.

Mergulho cultural

Visando o desenvolvimento dos alunos na sociedade cada vez mais interativa, o Colégio Presidente Kennedy propõe, de forma gradativa, a inserção no ensino bilíngue.

Na educação infantil, até o 5º ano, são cinco aulas semanais. Como a implementação é gradual, alunos de 6º e 7º anos têm aulas de inglês quatro vezes por semana.

Nas aulas, a comunicação é feita completamente em inglês e as atividades realizadas são pautadas em vivências e contextualização cultural visando, assim, a imersão na cultura estrangeira.

Desenvolvimento

A comunicação é a chave para o aprendizado, sendo a língua a principal ferramenta.

Assim, a Casa Branca Idiomas trabalha a exposição à língua inglesa desde o maternal. Neste período, 90% das aulas é em inglês.

Posteriormente, a ênfase na alfabetização é ampliada e para os alunos a partir do 1º ano do Fundamental I, 40% do tempo de aula é dedicado ao português.

Dessa forma, o plano de ensino torna o inglês familiar para a criança, que no 3º ano começa a ter contato também com a língua espanhola.

A especialista em bilinguismo, Ana Maria Santos da Silva, explica que o cérebro infantil é mais plástico – adaptável aos estímulos – e propenso ao exercício que consiste no estudo de outros idiomas.

 

ensino bilíngue

Arte: Mala

Expandindo possibilidades

Agora, a Casa Branca oferece também o mandarim, uma das variações da língua chinesa, aos alunos que ingressam no Fundamental II.

Esse idioma é um dos mais falados pelo mundo, principalmente na área econômica e de negócios. As habilidades em todos os idiomas são desenvolvidas, sobretudo, por meio da leitura, fala e audição.

Ana Maria destaca, também, a necessidade da participação dos pais no processo de ensino multilíngue.

Afinal, muitos não tiveram a oportunidade de aprender outras línguas enquanto estudantes, mas preocupam-se em proporcionar a atividade aos filhos.

Ela enfatiza que é importante ir além e saber se o estudante está fazendo as tarefas.

A especialista aconselha aos responsáveis que compartilhem, por exemplo, vivências da própria época escolar, mostrando que também enfrentaram situações adversas ao longo do processo.

Além disso, é essencial trabalhar a frustração do aluno.

Prática constante

Além do conteúdo aprendido em sala de aula, os estudantes – e também os pais e responsáveis – podem encontrar estímulos em tarefas cotidianas para exercitar o aprendizado.

É possível, por exemplo, escolher um idioma estrangeiro para assistir a filmes e séries, procurar a letra original e a tradução de músicas, e ainda mudar o idioma de celulares ou dispositivos móveis para ter familiaridade com diferentes vocabulários.

Futuro

Com a inauguração da futura Escola Americana de Santos no próximo ano, outras instituições de ensino reforçarão o ensino de línguas para atender a demanda crescente.

Sendo o inglês a principal ferramenta de comunicação internacional, o Colégio Santa Cecília desenvolveu um projeto de ensino bilíngue, com início em 2020.

Em parceria com a franquia internacional The Kids Club serão oferecidas aulas para todas as turmas desde a Educação Infantil.

O Colégio Onis desenvolve, também para o próximo ano, um programa bilíngue. Este, no entanto, voltado para os alunos até o Ensino Fundamental I.

Em todas as etapas

O contato na língua inglesa é feito desde o início da vida escolar dos pequenos na Escola Princípio, que oferece berçário e educação infantil, com atividades interativas.

Um ponto importante no exercício da língua estrangeira é a familiaridade também com o professor.

A Escola Espiritualista Ordem e Progresso, por exemplo, oferece aulas do 1º ao 9º ano com a mesma docente, que acompanha todo o processo.

Além disso, os alunos têm contato com informática do 1º ao 5º ano. Assim, a tecnologia pode ser uma aliada no convívio com outra língua.

O Liceu Santista oferece ensino multidisciplinar do inglês em salas com turmas reduzidas. Projetos e vivências são desenvolvidos para tornar o aluno fluente na língua.

Dentro do projeto de ensino bilíngue, o colégio tem também o Drama Club. Trata-se de um clube de teatro onde os alunos ensaiam, pesquisam e fazem apresentações inteiramente na língua inglesa.

LEIA TAMBÉM: