Homenagens e emoção marcam o Dia de Iemanjá em Santos | Boqnews
Foto: Divulgação/PMS

Celebração

03 DE FEVEREIRO DE 2022

Homenagens e emoção marcam o Dia de Iemanjá em Santos

Após carreata, Iemanjá chega carregada em andor à Ponte Edgard Perdigão

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Sorrisos, lágrimas e muitos agradecimentos marcaram o Dia de Iemanjá, nesta quarta-feira (2), em Santos. Os fiéis começaram as celebrações participando da carreata, que substituiu, pelo segundo ano consecutivo, a tradicional procissão devido à pandemia.

O cortejo saiu às 14 horas da Rua Otávio Correia, 64, no Estuário, seguindo por diversas ruas da Cidade, até o local da primeira parada, em frente à estátua da Rainha do Mar, na Praça Luiz La Scala, na Ponta da Praia. No local, foram depositadas coroas de flores e uma pomba, representando a paz, foi solta. Também foi  momento para agradecimentos e orações.

“A procissão tem 22 anos e é um marco em toda a Baixada. É o segundo ano que fazemos o evento em carreata por conta da pandemia, então é mais resumido. Mas a intenção é essa para que haja a preservação da saúde e, com fé em Iemanjá, ano que vem retomamos com toda a força, garra e fé”, diz Pai Marcelo de Ologunédé.

O evento,  promovido pela Prefeitura, em conjunto com o Conselho de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra e com a Coordenação da Casa de Culto Afro-Brasileira Ilê Asé Sobo Oba Àryra, foi considerado, mais uma vez, muito positivo.

“Mesmo sendo em um formato diferenciado desde o ano passado, ele veio nos dar esse sinal de que é possível celebrar de outras formas. A Cidade, nesse momento, tem que acolher cada vez mais religiões e manifestações que demonstrem sinais positivos, uma vez que nos últimos 24 meses a gente vem de uma questão que mexeu muito nos aspectos físicos e psicológicos no planeta inteiro. A gente precisa de união para superar esse momento”, destaca o secretário de Desenvolvimento Social, Carlos Motta.

Mesmo quem não é devota da Orixá se encantou com as homenagens.  A vendedora Sonia Andreosa, 55 anos, conta que estava passando pelo local e resolveu parar e acompanhar a cerimônia. Então, aproveitou para agradecer à Rainha do Mar e não conteve as lágrimas. “Me arrepiei. Ia pegar o ônibus do outro lado, mas parece que algo me puxou para cá. Fiz uma cirurgia em 2020, estava com câncer e pedi ajuda a todos os santos e a Iemanjá também. Agora só agradeci, porque está tudo bem”.

Nas mãos, um ramo de flores e, no olhar, um pedido. Cleusa Ribeiro Diniz, 62 anos,  está desempregada e orou para Iemanjá abrir os caminhos. “Vim agradecer também porque a gente está com saúde”.

A autônoma Gabriela Detelli, 30 anos, também levou flores para  a mãe de todos os orixás. Há doze anos ela decidiu seguir os passos da família e se dedicar ao Candomblé. “Hoje a gente só tem a agradecer e pedir saúde. Também muita paz, que é o que ela traz para todos. E que nos livre das coisas ruins”.

Praticamente às 16h, Iemanjá foi conduzida ao barco que levou a imagem para cumprir a última etapa do evento: a procissão pelo mar.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.