Antes mesmo do Covid, déficit de leitos sempre foi problema na Baixada Santista | Boqnews
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil/Agência Brasil SUS

Triste realidade

29 DE MAIO DE 2020

Antes mesmo do Covid, déficit de leitos sempre foi problema na Baixada Santista

A presença do vírus apenas escancarou o grave déficit de leitos hospitalares na Baixada Santista, região preterida ao longo de décadas pelos governos federal e estadual.

Por: Fernando De Maria

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Apesar dos esforços dos prefeitos da Baixada Santista em pedir uma revisão na posição anunciada pelo governo do Estado, que classificou a região como zona vermelha no combate ao Covid-19, a verdade é que a falta de leitos – um dos itens preconizados pelo Estado para manter a região neste patamar – é um problema crônico.

Antes mesmo do surgimento do Covid-19.

A decisão do governo estadual impede uma reabertura gradual das atividades econômicas, frustrando as expectativas do comércio e de prefeitos.

A quarentena foi implantada pelo Estado desde o final de março.

Algumas cidades, como São Vicente e Guarujá, chegaram a liberar as atividades econômicas, mas tiveram que recuar em razão de decisões judiciais.

Assim, ao lado da Grande São Paulo – que foi dividida em cinco áreas, após reivindicação dos prefeitos para melhor avaliação metropolitana – e Vale do Ribeira, a Baixada Santista terá a quarentena estendida por mais 15 dias.

Há a expectativa, porém, de alteração do cenário.

Em reunião agendada para terça-feira (2), prefeitos e secretários estaduais podem chegar a um consenso para alterar a classificação de vermelha (fase 5, com restrições totais) para laranja (fase 4, com abertura gradual de algumas atividades econômicas).

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista, Omar Abdul Assaf, já dá como certa a reabertura das atividades, conforme destacou em entrevista ao programa Notícias do Dia. (assista ao vídeo)

 

 

Já o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, diz que ainda é prematuro fazer qualquer prognóstico antes da reunião,  dependendo do volume de novos casos registrados, assim como a ocupação de leitos nos próximos dias.

 

Antes mesmo da Covid-19, Baixada Santista sempre sofreu com falta de leitos hospitalares. Hoje, encontra-se na zona vermelha por causa disso. Foto: Divulgação

 

Falta de leitos, um velho problema

Conforme Vinholi, um dos motivos da manutenção da quarentena na região é a baixa capacidade proporcional de leitos hospitalares para atendimento de pacientes do Covid-19, em especial UTIs.

Outros indicadores, como índice de isolamento social, também fazem parte das análises.

Neste item, a Baixada Santista tem registrado indicadores abaixo dos 50% – e até mesmo abaixo da Capital.

Na quinta (28), a média estadual foi de 48%.

Apenas São Vicente e Itanhaém tiveram a mesma média.

Já Santos e Cubatão, por exemplo, registraram 45% de isolamento.

Percentual que tem caído a cada dia.

Na realidade, a falta de leitos decorre de um histórico problema metropolitano, antes mesmo do surgimento da pandemia.

A Baixada Santista – assim como o Vale do Ribeira – sempre foram preteridas na oferta de leitos hospitalares, em especial de UTIs, como ocorre na atualidade.

Portanto, sem novidades para o cenário atual.

Afinal, a pandemia só expôs esta cruel realidade.

Santos, por exemplo, tem uma média de 4,01 leitos a cada 1000 habitantes e 2,01 em relação a leitos SUS.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) preconiza entre 3 a 5 leitos/mil moradores.

Por sua vez, a vizinha São Vicente tem apenas 0,76 leitos em geral por mil habitantes, sendo 0,44 referentes a leitos SUS, conforme dados da Fundação Seade de 2019.

Assim, não é à toa que a maioria dos pacientes internados por Covid-19 em hospitais públicos (SUS) ou privados residem em outras cidades.

Nesta sexta (29), eram 222 pacientes (50,7%).

Os 216 munícipes santistas internados correspondem a 49,3%.

A taxa de ocupação geral é de 50%.

Para se ter ideia, a média regional de leitos é de 1,59, sendo 0,96 leitos SUS por 1000/habitantes.

 

Situação ruim

 

Entre as regiões metropolitanas paulistas, a Baixada Santista só está à frente da RM de Campinas, que tem indicadores piores, com 1,49 leitos de internação em geral e 0,84 do SUS.

A melhor situação ocorre na RM de Ribeirão Preto, com 2,43 leitos em geral, e 1,56 do SUS.

Ou seja, há uma terrível desigualdade na proporcionalidade de leitos, inclusive de UTIs, na região.

O quadro abaixo de leitos em geral e SUS por mil habitantes detalha melhor a desigualdade.

Vale lembrar que não estão contabilizados leitos para pacientes Covid-19, pois os dados são de 2019.

 

 

Outra realidade

A situação poderia ter sido minimizada se fosse levada adiante pelo Governo Federal a proposta da construção de um hospital metropolitano em São Vicente, com capacidade para 400 leitos.

A proposta foi feita em 2014 pelo então ministro da Saúde no governo Dilma Rousseff, Arthur Chioro, que chegou a divulgar o projeto.

O investimento era de R$ 150 milhões à época, divididos entre Governo Federal (50%) e do governo do Estado (50%), que não se comprometeu com a iniciativa.

Infelizmente, a proposta acabou perdendo força, por críticas de políticos e desinteresse do Estado, mas também pelo próprio enfraquecimento do governo Dilma, que anos depois sofreu o impeachment.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.