Mulheres buscam resguardo na defesa pessoal | Boqnews
Foto: Pixabay

Autodefesa

22 DE SETEMBRO DE 2019

Mulheres buscam resguardo na defesa pessoal

Com os altos índices de violência na região e no País, métodos de defesa pessoal e artes marciais preparam para situações de perigo

Por: Ana Carol

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

A cada quatro minutos, uma mulher é vítima de violência no Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

Santos, em 2018, registrou 500 notificações no total, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

Destaque aos 208 casos de violência física e 96 de abuso sexual, entre diversos outros tipos de violência.

Esses índices geram uma onda de medo, alerta, e levam as mulheres a procurar maneiras de se defender.

Assim, uma alternativa que elas estão buscando são os cursos de defesa pessoal e a prática de artes marciais.

 

defesa pessoal feminina

Arte: Rom Santa Rosa

 

Iniciativa

Desmitificar a ideia de que uma mulher não consegue escapar de um agressor maior e mais pesado foi o ponto de partida para o casal Allane Pinheiro e Fábio Abreu, instrutor de Karatê, criarem um workshop de defesa pessoal em outubro de 2018.

Realizado a portas fechadas, sendo Abreu o único homem presente, são feitas demonstrações de potenciais situações de perigo e como escapar delas.

Allane enfatiza que Abreu não entra em contato físico com qualquer das alunas, para evitar possíveis gatilhos emocionais ou outros transtornos.

Ela, também praticante de artes marciais, destaca: “Defesa pessoal começa antes de sair de casa”, com a adoção de cuidados especiais para manter a própria segurança, sendo a força física o último recurso a ser utilizado.

Assim, o casal desenvolveu o módulo Zanshin de defesa pessoal, em alusão à expressão japonesa que significa “estado de constante alerta”.

A repercussão levou a uma parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Seds), por meio da Coordenadoria de Políticas Públicas para a Mulher (Comulher).

Dessa forma, foi criado o programa Eu me Defendo.

Segundo a Prefeitura de Santos, 320 mulheres foram inscritas nas sete edições do evento.

Além disso, a Administração revelou que ainda não há previsão de data para abertura de novas turmas.

Entretanto, no próximo sábado (28), Allane e Fábio ministrarão uma aula gratuita de defesa pessoal para mulheres.

Será no Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136 – Aparecida). A classificação indicativa é 16 anos, e acontece a partir das 15 horas.

Para mais informações sobre o módulo Zanshin e dúvidas, estão disponíveis as páginas no Facebook e Instagram.

Ou, além disso, os telefones (13) 98817-1905 e (21) 97996-6928.

 

Defesa pessoal feminina

Fábio e Allane realizam demonstrações, e posteriormente as alunas reproduzem os movimentos. Foto: Yara Tomei

Fortalecimento

“A gente tá começando a mudar a forma de se entender como mulher”, destaca a psicóloga Julia Paolucci Sampaio, apontando que defesa pessoal é um comportamento básico que todas as pessoas deveriam ter.

A profissional, gestora do núcleo Biopsicossocial da ONG Hella, frisa que o comportamento feminino imposto às mulheres não ensina a autodefesa, diferente do que é ensinado aos homens.

Dessa forma, elas são vistas como seres vulneráveis. “Isso começa a mudar quando a mulher entende seu papel dentro da sociedade”, pontua.

Conquista de espaço

Praticante de Muay Thai há mais de 20 anos, a mestra Andressa Saboya passou a dar aulas para o público feminino em 2006.

Acompanhando a adesão das mulheres pela luta, abriu a própria academia uma década depois.

A Lady’s Thai atende garotas a partir dos 4 anos de idade. O endereço é Avenida Governador Fernando Costa, 361 (sala 1), na Ponta da Praia.

As aulas são de segunda a quinta. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (13) 97405-9344 ou, ainda, Facebook e Instagram.

Entre os benefícios da modalidade a mestra cita melhora na coordenação motora, no desempenho cardiorrespiratório e muscular.

Além disso, a atividade física proporciona alívio de estresse, melhora no foco e bem-estar.

 

Defesa pessoal feminina

Pioneira no segmento, Andressa Saboya tem 50 alunas atualmente. Idade inicial é 4 anos. Foto: Reprodução/Facebook

 

Aumento na procura

Baseado em movimentos naturais, curtos e rápidos do corpo, o Krav Maga trabalha pontos sensíveis para neutralizar o agressor.

O instrutor Lucas Neves observou o aumento de 2018 para 2019 na procura pela prática por mulheres – elas são cerca de 60% do total dos alunos – no Centro Santista, onde leciona.

Ele explica que não possui turmas exclusivas para elas, pois o Krav Maga ensina a defesa sobre os variados tipos de agressores.

“Ele trabalha o aspecto psicológico, o principal responsável pelo nervosismo em uma situação de risco na rua, por exemplo”, justifica.

Neves tem o próprio espaço no Boqueirão, à Rua Armando Salles de Oliveira, 195.

As aulas ocorrem de segunda a quinta. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (13) 98151-8151.

 

Defesa pessoal feminina

O Krav Maga ensina respostas a diferentes tipos de agressão, como, por exemplo, em grupo. Foto: Reprodução/Facebook

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.