CinemAqui no Boq
Vinicius Carlos Vieira

Saiu da faculdade de jornalismo e descobriu que não sabia fazer mais nada a não ser escrever sobre cinema. Resolveu virar crítico. Hoje, é editor e crítico do site Cinema Aqui (@cinemaqui), além de ser produtor do Nerd Cine Fest. No twitter pode ser encontrada no @vinicvieira

Mais Forte Que o Mundo: A História de José Aldo

Diretor santista conta história de campeão do UFC em um dos melhores filmes do ano.

23 de junho de 2016 - 00:59

Compartilhe

bannerAfonso Poyart é um diretor santista que “fez seu nome” em seu trabalho de estreia, 2 Coelhos [confira a crítica], o que o levou para Hollywood no suspense Presságios de um Crime [confira a crítica] com Collin Farrel e Anthony Hopkins. O primeiro era um primor técnico e visual, o segunda era uma bobagem descontrolada que parecia ter pouco do diretor. Felizmente, em seu terceiro filme, Mais Forte Que o Mundo: A História de José Aldo [confira a crítica] o diretor volta a sua melhor fase.

Bem verdade, Poyart vai ainda além de seus acertos do primeiro filme. Seu estilo está lá, o slow motion e a câmera livre de eixos continuam presentes, mas disso ainda surge um diretor visceral e mais poderoso ainda. E mesmo que o lutador José Aldo seja a estrela do filme, é Poyart quem amarra essa incrível história de modo inigualável.

Uma direção que cola na ação em busca da verdade escondida nos olhos de seus personagens, tornando essa história real, mais sensível e intensa ainda. Escrita pelo próprio Poyart, ela acompanha Aldo (vivido de modo esforçado e acertado por José Loreto) desde sua juventude meio sem rumo na periferia de Manaus, até o sucesso dentro do octógono do UFC. Ainda que a verdadeira luta venha bem longe dos ringues.

mais-forte-que-o-mundo-filmeUma premissa que nem foge tanto dos clichês do gênero assim, mas m contrapartida se deixa levar por essa sucessão incrível de vitórias em uma batalha interior que o lutador precisa vencer antes de levantar seu cinturão. Mas é claro que as lutas estão lá, mesmo que, curiosamente, Poyart pareça deixar de lado a exuberância de suas escolhas visuais e praticamente se coloca distante da ação, deixando esse lado rebuscado e cheio de personalidade, justamente para a luta mais importante do personagem: contra seus próprios demônios. E nessa hora o resultado é lindíssimo.

E grande parte dessa batalha interna vem, justamente, da presença incrivelmente marcante de Jackson Antunes no papel do pai do personagem. O ator se entrega de modo comovente, forte e extremamente sensível ao papel, o que parece completar e sustentar extremamente bem o filme.

Mas sobre tudo isso, Mais Forte Que o Mundo: A História de José Aldo é o retrato da vitória desses dois personagens que compõe o filme: Aldo e Poyart. Ambos vencedores incríveis que não precisam de títulos, cinturões e trabalhos, seja em Hollywood ou no UFC, para provarem que são vencedores.

A crítica desse e de mais um monte de outras estreias você encontra no CinemAqui.