Panorama Regional
Fernando De Maria

As tendas da contenda

18 de fevereiro de 2011 - 18:47

Compartilhe

As tendas instaladas ao longo da orla durante o período de verão já viraram tradição, fazendo a alegria de santistas e turistas e abrindo espaço para a exibição de artistas locais.


No entanto, por culpa do equinócio (ponto da órbita da terra que registra uma igual duração do dia e da noite, um fenômeno que ocorre nos dias 21 de março e 23 de setembro), a data da festa popular avançou para março (o Carnaval ocorre sempre sete semanas antes da Páscoa, a partir do primeiro domingo de lua cheia após 21 de março).


E por incrível que apareça – mas nem tanto em uma cidade como Santos, onde a turma do não adora marcar presença -, tal fato motiva manifestações favoráveis e contrárias à retirada das tendas da orla após as férias de janeiro.


Como a festa momesca só ocorrerá a partir de 5 de março (após 33 dias do encerramento das atividades das tendas), a Secretaria de Cultura resolveu não prolongar a montagem das mesmas, sob alegação de aumentar as despesas e de relativa ociosidade durante a semana.


Resultado: ao contrário dos anos anteriores, quando o Carnaval ocorreu em fevereiro, as tendas não serão montadas na praia, mas nas quadras esportivas do Complexo Rebouças na Ponta da Praia, nos morros e no Emissário Submarino. A alteração agradará a alguns, como as supostas ONGs que se caracterizam como palpiteiras da Cidade, mas, certamente, desagradará os que costumavam se divertir,  nas matinês  e bailes noturnos, nestes espaços públicos, gratuitos e familiares.


A justificativa para a contenção de despesas é plausível. Os gastos com a  manutenção das tendas até o Carnaval aumentariam as despesas em  R$ 200 mil/250 mil, especialmente no tocante ao pagamento dos cachês dos músicos e na manutenção do espaço, como explica o chefe do departamento de eventos, Wellington Lima.


No entanto, turisticamente, a Cidade perde com a decisão. Afinal, a despeito do desfile das escolas de samba ser merecedor de elogios pelo empenho da atual administração em resgatar o Carnaval santista, a eliminação das tradicionais tendas acaba com qualquer tipo de manifestação carnavalesca na principal área turística do Município. Uma economia, portanto, discutível.


Uma alternativa para amenizar os gastos que a Prefeitura tem com tais eventos seria fazer uma licitação ou carta-convite para que empresas de publicidade concorressem para captar recursos para exploração publicitária nas tendas junto à iniciativa privada. O lucro seria do comissionamento pago  pela captação dos recursos, como ocorre com a Lei Rouanet em projetos, como o do Chorinho no Aquário e Música no Quebra-Mar, ambos patrocinados por empresas.


Conforme o professor universitário e mestre em Gestão Estratégia e Negócios, Alex Fernandes, as tendas e o local onde estão montadas são fortes atrativos para exploração comercial, desde que criem-se condições para atrair anunciantes interessados em veicular suas mensagens e realizar ações na principal cidade do litoral paulista.
Fica a sugestão, portanto, para os próximos carnavais.