Foto: Divulgação

Opiniões

18 DE JUNHO DE 2021

Cenário congestionado

Por: Jairo Sergio de Abreu

Ainda que as eleições para os cargos do Legislativo estejam distantes, as especulações nos bastidores são intensas. Alguns já se colocam à disposição dos partidos para lançarem seus nomes tanto à Assembleia Legislativa como à Câmara Federal. Outros, porém, ainda não bateram o martelo. Pelo menos, publicamente.

Cenário congestionado II

De qualquer forma, o cenário local passa pela provável candidatura do ex-prefeito Paulo Alexandre Barbosa em 2022. Caso seja candidato à Assembleia Legislativa, como já ocorrera em outras eleições, ele buscará votos na mesma seara que aliados que tentarão a reeleição, como os deputados Caio França e Paulo Correa, por exemplo.

Cenário congestionado III

Se for candidato à Câmara Federal, buscará votos junto a eleitores, por exemplo, da deputada Rosana Valle (PSB). Nos bastidores, há quem garanta uma dobrada Barbosa e Kenny Mendes a estadual e federal, respectivamente. A conferir.

À francesa

Sem fazer alarde, o ex-presidente da Câmara, o vereador Sadao Nakai saiu do PSDB, único partido a qual foi filiado. Nakai, que é presidente do Clube Estrela de Ouro e da Associação Japonesa de Santos, vai se dedicar às entidades para prepará-las para o momento pós-pandemia.

Metropolitana?

Apesar da Baixada Santista ser uma região metropolitana, na prática, pelo menos na área do turismo, isso não ocorre. Afinal, se alguma agência quer transportar, de van ou ônibus, seus clientes para conhecer as cidades vizinhas, precisa pagar taxas absurdas cobradas pelas prefeituras, inviabilizando qualquer iniciativa para fomentar o turismo regional.

Chover no molhado

Apesar deste cenário, o diretor da Agem – Agência Metropolitana da Baixada Santista, Milton Gonçalves, está otimista com a possibilidade do primeiro passo de integração ser dado para fazer valer, de fato, a existência de um selo metropolitano de turismo. Apesar do martelo não ter sido batido – nem há previsão – Santos e São Vicente seriam as cidades-piloto para a iniciativa. Porém, ambas são as únicas que não cobram tarifas de acesso de vans e ônibus. Ou seja, o que muda?

Experiência

Engenheiro de formação, com especialidade nas áreas de saneamento básico e água, o ex-prefeito e ex-deputado João Paulo Papa explica que dificilmente a população paulista enfrentará novo racionamento de água, após as ações desenvolvidas pela Sabesp com a crise hídrica de 2014. No entanto, em razão da escassez do líquido, algo é certo: a conta de luz vai subir cada vez mais.

Amianto

A SPA (ex-Codesp) informa que pouco afetará a decisão judicial que impede a movimentação de amianto pelo Porto de Santos. “O impacto é irrelevante, pois essa carga representa menos de 0,01% do que o Porto de Santos movimenta”, explicou em nota. A pedido do MP, a Justiça determinou que a mineradora Sama e a Eternit estão proibidas de enviar para o cais santista qualquer carga de amianto ou produtos que tenham a substância cancerígena.

Bis

A exemplo dos últimos anos (desde 2015), as contas da Prodesan referentes ao balanço financeiro de 2018 também foram reprovadas. Entre as várias razões, déficit de R$ 16,4 milhões no resultado do exercício.

Quem Responde?

Quantas..
pessoas irão às ruas para protestar contra o governo Bolsonaro neste sábado (19) à tarde?

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.