Vida & Prazer
Marcia Atik

Psicóloga clínica e terapeuta sexual e de casal

Começar de novo

24 de abril de 2014 - 13:54

Compartilhe

Páscoa época de ressurreição, de recomeço de renovação.

Essa semana me deparei com um grande conflito de uma pessoa que estava fortemente inclinada a retomar uma relação afetiva que não tinha dado certo, e ao invés de ver-se tomando uma iniciativa, tendo ousadia e coragem ela se via como uma pessoa que não progredia e não evoluía.

Perceber que retomar uma história, que apesar de factualmente terminada, não o está no nosso íntimo é um ato de amor por nós e pelo outro, e a tentativa de reconstrução é parte integrante de nossa estrutura psíquica, senão a nossa vida seria construída apenas por um monte de destroços.

Em muitas querelas, principalmente as de cunho afetivo são consequência de ações impulsivas, outras por infantilidade e a maioria pela overdose emocional que impede um raciocínio claro e tranquilo sobre os reais motivos da separação.

Dar outra chance, passados os momentos inflamados, alimentados pelo fogo da frustração, decepção, ou mesmo ciúme quando ambas as partes sentem a necessidade dessa retomada, qual seria a razão que impediria essa tentativa?? Amor próprio? Orgulho? Preguiça..??

Eu diria que esse momento é precioso e não deve ser perdido nem desperdiçado, pois seria o momento ideal para rever os contratos, ou as bases em que essa relação fracassada se baseou, para dessa maneira ambas as partes envolvidas terem oportunidade de reverem seus desejos reais, e não fantasiosos, e aumentar a autoconsciência auxiliando o autodesenvolvimento de cada um como pessoa e do casal por consequência.

Seria uma nova chance de recasar mudando padrões de funcionamento, não só nas promessas, ou fantasia de um par perfeito, mas principalmente mudanças baseadas no desejo pessoal de ser mais feliz com consistência e responsabilidade.

Comecei esse artigo querendo na verdade falar de dicas para viver bem e naturalmente,quando se fala em bem estar se fala também em perdão, a nós por não sermos perfeito, errar e refazer o caminho e ao outro.

Pois harmonia familiar e amor construído são muito bons de viver, desde que ele seja construído com nossas ferramentas do dia a dia, ou seja, as emoções boas e ruins.

Começar de novo é como diz tão belamente a música é

“A fé no que virá
E a alegria de poder
Olhar pra trás
E ver que voltaria com você
De novo, viver
Nesse imenso salão…”

Recomeços são chances de fazer diferente e melhor e porque não pensar nisso nessa época de Páscoa.