Escrever, para não desesperar | Boqnews

Opiniões

22 DE FEVEREIRO DE 2022

Escrever, para não desesperar

José Renato Nalini

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

O mundo é um lugar que pode assustar bastante. Século 21, para o qual o sociólogo italiano Domenico De Masi vaticinava a “era do ócio prazeroso”, tempo de sobra para o entretenimento, continua desafiador para quem precisa subsistir e tem dependentes vinculados aos seus ganhos.

Mais do que isso, é o mundo da destruição das florestas e demais biomas, a violência em todos os espaços, o preconceito matando minorias vulneráveis, o deboche ganhando espaço e a mentira mantendo a verdade praticamente sepulta.

Por isso é preciso reagir. Recobrar as esperanças, recorrendo àquilo que nos conforta. A religião é sólido apoio para o crente. Para o agnóstico, existe a meditação. Manter a serenidade, apesar dos disparates e da aparência de que o mundo perdeu a razão e não a recuperará mais.

Ler é outra alternativa extraordinária para reaver otimismo. Há tanta coisa boa, que para um leitor fanático – eu sou um deles – a preocupação é a certeza de que não haverá tempo suficiente para ler tudo o que precisaria ser lido. Mais importante ainda: o que gostaria de ler.

Também é importante escrever. Contar estórias. Recobrar memórias. Não deixar que elas fujam e se embaralhem, o natural trajeto das lembranças, à medida em que envelhecemos.
Reli, recentemente, “A cor púrpura”, de Alice Walker.

Ela tem minha idade. Mas uma vida bem diferente. Descende de agricultores e de escravos. Sofreu muito. Seu livro foi eternizado em filme. Ela também escreveu “em busca dos jardins de nossas mães”, “Meridian” e o infanto-juvenil ‘Gente legal está em todo lugar”.’

Ela tem consciência de que nossos dias são sombrios: “Descobri, em grande parte por meio da prática da meditação, que fiz quando criança sem saber o que era, uma sensação de paz, ou, talvez mais corretamente uma sensação de aceitação.

Tenho trabalhado toda a minha vida consciente para nutrir aqueles que estão sofrendo ao meu redor e no mundo. Hoje, o sofrimento do mundo – pessoas deslocadas, fome, doença, falta de moradia, violência, vício – é mais do que assustador.

A menos que a humanidade se uma, podemos não ser capazes de preservar nosso habitat: a Terra. É um momento terrível para todos nós, não apenas para os humanos que se consideram os mais importantes, mas para as florestas e os animais que estão desaparecendo rapidamente”.

Todos podem fazer algo contra essa tendência suicida. Escrever para manifestar irresignação, pedindo compostura do governo, exigindo responsabilidade ecológica e um olhar de comiseração para com os vulneráveis. Isso também nos ajuda a ter a consciência tranquila.

José Renato Nalini é Reitor da Uniregistral, docente da Pós-graduação da Uninove e Presidente da Academia Paulista de Letras – 2021-2022.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.