Estação X
Diego Corumba

Jornalista especializado em games

Influência do Youtube nos Games

O canal mais visto do mundo pode ter milhões de vídeos referente aos videogames, mas você parou para analisar cada um? Temos de tomar cuidado com o que pesquisamos, o que discutimos na coluna de hoje

14 de junho de 2017 - 09:59

Compartilhe

O Youtube, canal de vídeos criado em 2005, se tornou uma grande ferramenta nessa última década. Antigamente era comum termos nele vídeos de artistas famosos e músicas (além das velhas montagens, que ainda persistem) até vídeos de comédia (Mundo Canibal, Charges entre outros), porém isto mudou bastante. Hoje é usada como uma grande rede de informações e vídeos de todos os modos. Literalmente. Esta prática também entrou na linha dos games e hoje é uma parte essencial para muitos jogadores.

Quem não sentiu problemas por uma fase e teve de apelar para uma “gameplay” (vídeo mostrando passo a passo de determinado jogo) no Youtube? O que fazíamos na época das revistas antigamente se expandiu e hoje é mostrado detalhadamente e de forma clara para todos conseguirem realizar os feitos que alcançam nesta mídia. Milhares de Youtubers, pessoas que ganham dinheiro criando vídeos e conteúdo, realizam maratonas e tutoriais de como proceder em determinados jogos e fases. Não é difícil encontrar este tipo de material sobre QUALQUER jogo que imaginar. Basta pesquisar e logo terá centenas de opções para seguir.

Até mesmo jogos do primeiro PlayStation (até mais antigos) podem ser encontrados pelo site de vídeos.

Apesar de bastante criticado por uma quantidade de jogadores, muita gente hoje sente esta necessidade e busca no canal este tipo de informação. Alguns chamam de “apelação”, outros apenas não querem perder tempo com horas para resolver determinados quebra-cabeças necessários para progredir. É uma discussão eterna e não entrarei neste âmbito. Esta é apenas uma das camadas do que o site tem a oferecer, para os desavisados, é apenas a “ponta do iceberg”.

Vou colocar as cartas na mesa e deixar minha posição clara: eu era uma das pessoas que criticava o Youtube. Até hoje me orgulho de ter finalizado todos os games sem a necessidade de uso do material oferecido por eles. Isso mudou quando passei a ver alguns pontos, tanto positivos quanto negativos que este tipo de material poderia oferecer. Não, ainda não assisto vídeos de gameplay para ser “ajudado” a passar, insisto em fechar meus games na marra. Porém, hoje vejo este tipo de trabalho com outros olhos.

Dependendo do vídeo e da dificuldade do chefão, alguns ganham centenas de milhares de visualizações, como este com mais de 390 mil.

Primeiro, vamos ser sinceros, nem todo mundo tem a oportunidade de comprar um videogame. São caros, os games têm um preço alto, acessórios não são fáceis de serem encontrados e quando chegam ao Brasil o valor também é absurdo, alguns dos jogos ou serviços exigem pagamento para conectar-se à internet…uma série de fatores impede uma parcela grande de pisar neste mercado. Porém, lançou aquele vídeo do God of War novo (por exemplo), qual você jogava na época do PlayStation 2, e está sem grana para comprar o console e o game, mas está louco para saber como é a história e ver o que o jogo tem a oferecer. Você deixaria de assistir aos vídeos para aguardar “um dia” que compraria?  

Estes tipos de vídeos são legais neste sentido, permitindo que esse número de pessoas assista tranquilamente à história do game sem a necessidade de gastar muito para isso. Conheci muita gente que, mesmo sem ter um PS4, Nintendo Switch, 3DS ou um Xbox One, já viu toda a história de Injustice 2, Pokémon Sun/Moon, Horizon Zero Dawn, The Legend of Zelda: Breath of the Wild e vários games de sucesso que saíram nos últimos meses. Avançamos tanto nisso que hoje existem vídeos até sem comentários do produtor do conteúdo, para não atrapalhar os diálogos e cenas. 

Youtubers gravam vídeos sem comentários para as pessoas apreciarem o game por completo sem interrupções ou falas no meio das cenas.

Mas nem tudo no canal são flores. Existe muitas pessoas, um número absurdo mesmo, que não tem o mínimo de conhecimento falando e quem escuta acreditando. Assim como o que acontece no jornalismo recentemente. Mais vale o que o Youtuber/Site desconhecido diz do que a própria mídia ou criadora do conteúdo. Já vi muitos famosos (Zangado, Rezendeevil entre outros) falando calúnias e manipulando opinião com dados inexistentes. Além disso, atualmente é enfrentado um problema com canais de games infantis (Minecraft, por exemplo) que contém teor altamente adulto: com direito a sexo, palavrões, sangue, entre outros.

Reconheço e alerto, o número é incontável de canais que se passam por conteúdo infantil, onde milhões de crianças assistem e possuem material impróprio para a idade delas. Porém, não podemos generalizar, ainda há conteúdo de qualidade e com ações positivas em relação aos games. Citando meu irmão como exemplo, apesar de termos quase todo hall de videogames em mãos e de fácil acesso, ele curte ver alguns Youtubers que usam humor para explicar determinados jogos ou fazem piadas (até músicas) com partes específicas dos games.

Há canais que trabalham apenas com paródias de games famosos e criam material humorístico até com músicas

Não apenas isso, temos também diversas opções para usufruir deste mercado. Além do Youtube, temos opções via streaming (pessoas que transmitem conteúdo ao vivo, conforme jogam). Neste caso, existem o Twitch, Mixer, entre outros serviços que permitem que vejam criadores de conteúdo ao vivo, jogando algum game e interagindo com o público. Até mesmo o Youtube criou uma ala especial para este tipo de serviço, o Youtube Gaming que conversa diretamente com este público em específico.

Como tudo, existem limites e tudo tem de ser bem avaliado e podado. Se você tem uma certa idade e compreende, de fato, tudo que está sendo oferecido de conteúdo, com certeza vai procurar um canal bom e com informações embasadas, sem a necessidade de temer tanto com invenções ou mentiras. Porém, se existe alguma criança ou menor de idade em casa, é bom assistir junto para ver qual tipo de conteúdo e o que é dito por determinados canais. Como disse acima, nem Minecract com seu aspecto infantil está livre de pessoas maldosas.

Desta forma, selecionando e filtrando, teremos cada vez mais Youtubers de confiança, pessoas que poderíamos ver os vídeos sem temer que haja equívocos. Pessoas maldosas terão em todos lugares, isso infelizmente temos de aceitar. Mas quanto mais podarmos e não darmos audiência, menos espaço estarão ocupando (mesmo espaço que pode ser adequado à pessoas sérias que querem produzir materiais criativos). O Youtube pode ser controverso no mundo dos games, mas se analisarmos, ele pode ser mais do que benéfico. Basta refletir no que se pesquisa. 

Para mais informações, entre em contato pelo e-mail colunaestacaox@outlook.com ou adicione nas redes:

PSN: CorumbaDS

Xbox Live: PlumpDiegoDS

Nintendo Network: DarXtriker