Sol Nascente
José Adelson

Professor de língua japonesa e jornalista.

Marinha japonesa

24 de outubro de 2013 - 19:37

Compartilhe

Pelo menos 17 pessoas morreram nesta quarta-feira (16) no Japão, conseqüência da passagem do Tufão Wipha pela região de Tóquio, sendo 15 delas moradores da pequena ilha de Oshima. O fenômeno é considerado o pior dos últimos dez anos na região e deixou destruição por onde passou, com prejuízos ainda não calculados na totalidade.
O tufão provocou fortes chuvas e ventos na costa do Oceano Pacífico da grande ilha de Honshu, sobretudo na região da capital.
A televisão pública e a agência de notícias Jiji informaram que pelo menos 16  pessoas morreram e 51 estavam desaparecidas em Oshima, a 120 quilômetros do sul da capital onde os deslizamentos de terra destruíram várias casas. Nove pessoas morreram dentro de um hotel destruído pela força da natureza.
Presença no Porto Santista
As constantes visitas das esquadras japonesas aos portos brasileiros, principalmente ao porto de Santos, vêm de muitos anos. Trata-se de um acontecimento que mobiliza um grande número de pessoas que podem visitar essas embarcações e conhecer seus avanços tecnológicos, além de estreitar as relações entre as nações irmãs.
O navio escola Kashima, que  esteve em Santos nos anos de  1998 e 2008, neste último comemorando os 90 anos de imigração japonesa para o Brasil, foi muito festejado. Na ocasião, o presidente da Associação Japonesa de Santos, comendador Arata Kami, proferiu um discurso em homenagem à marinha japonesa, recebendo um lindo presente oferecido pelo comandante do esquadrão, Koichi Furusho.
A origem do nome
Os nomes dos navios de guerra de autodefesa japonesa provêm de nomes atribuídos às condições atmosféricas, climáticas, de serras, províncias, entre outros temas relacionados à natureza.
O nome deste cruzador foi eleito através do lugar “Kashima”, indicado como uma parte do semi-parque nacional Tsukuba, que apresenta uma paisagem vasta em meio à congruência de vários rios, brejos e lagos, como o Kitaura, situado no estado de Ibaragui.