Arte de Conviver
Laercio Garrido

Professor universitário e escritor.

Medo de ter medo (II)

Conheça os mais variados tipos de medo

16 de setembro de 2015 - 11:30

Compartilhe

Como observamos na última coluna, o ser humano convive com diversos medos durante sua vida. Os principais medos que habitam o espírito do ser humano são: Medo da morte, principalmente para aqueles que a consideram como o fim de tudo e que não acreditam nos princípios da espiritualidade.

Medo da solidão tão fortemente arraigado na sociedade moderna. Há pessoas que se sentem solitárias mesmo quando rodeadas de gente. Outras têm a alma tão ferida pela solidão que não se importam e não se sentem constrangidas em sair à rua para mendigar uma pequena atenção aqui, uma conversa ali de pessoas completamente estranhas.

Medo do desconhecido que provoca o viver na mesmice do nunca abandonar o conhecido, sem coragem de abraçar o novo para ter uma vida melhor, para alcançar o sucesso profissional.

Medo da crítica: ninguém consegue agradar a todos. Receber críticas positivas e mesmo não construtivas faz parte do cotidiano. É importante a pessoa dar suas opiniões nas horas certas e da maneira certa, respeitando as considerações contrárias, sem se preocupar com as eventuais críticas.

Medo de perder o amor de alguém. Este é sem dúvida o mais cruel dos medos, pois envolve os sentimentos negativos da saudade, da baixa autoestima, da impotência, da insegurança, da tristeza.

Medo da doença. Pode acarretar profundos problemas pelo receio de contrair as piores enfermidades à medida que envelhece.

Medo da velhice que ataca aqueles indivíduos que sempre agiram de forma independente cuidando dos outros, sem precisar da ajuda de ninguém.

Agora na velhice eles não aceitam que suas limitações físicas e psicológicas os tornem dependentes de outros.

Medo do chefe: não são poucas as pessoas que trabalham o tempo todo com receio do chefe. O mau líder se realiza humilhando e atemorizando seus subordinados.

Ele baseia suas ações exclusivamente nas regras do comando e controle. Apesar de ser difícil, o envolvido deve tentar convencer o superior da forma que se sente com suas atitudes. Se não der certo, ele terá que solicitar transferência ou sair da empresa.

A fobia é uma espécie de medo exagerado, que na presença de determinados objetos, seres ou situações, provoca profundas alterações psicológicas e fisiológicas. Quando a fobia impede que a pessoa possa ter uma vida normal, ela precisa ser tratada através da psicoterapia.

Por exemplo, um executivo que precisa viajar de avião pelo mundo, terá que enfrentar e vencer sua aerofobia – medo de voar. No entanto, outro profissional com ofidiofobia – medo de cobras, que mora na cidade, não precisará fazer nada, pois dificilmente terá uma pela frente.

As fobias mais comuns são: a aracnofobia – medo de aranhas, a acrofobia – medo de altura, a claustrofobia – medo de lugares fechados e apertados, a agorafobia – medo de espaços abertos com muita gente transitando, a misofobia – medo da falta de higiene e a tripanofobia – medo de injeções.

O ser humano deve aprender a administrar os seus medos e conseguir ajuda especializada para enfrentar suas fobias quando necessário. Deve encarar o medo com naturalidade e considerá-lo com um sinal de que ainda está vivo. Deve lutar com todas as forças para não sentir o maior dos medos: o medo de ter medo.