Editorial
Humberto Challoub

Jornalista e Diretor de Redação do Jornal Boqnews. Diretor da Faculdade de Artes e Comunicação da Unisanta

O Brasil padrão Fifa

11 de julho de 2014 - 17:34

Compartilhe

Descontados os resultados decepcionantes obtidos no campo esportivo, há consenso de que a realização da vigésima edição Copa do Mundo representou um marco na história do País, especialmente porque contrariou as estimativas pessimistas sobre a real capacidade brasileira de promover um evento internacional de tamanha grandeza. Quer pela movimentação econômica ocorrida durante todo o período de preparação e desenvolvimento da competição, quer pelos investimentos dirigidos ao cumprimento das exigências contratuais firmadas com a Fifa, é possível constatar que os ganhos foram inequívocos, mesmo que subtraídos os gastos excessivos e superfaturamentos produzidos pela má fé ou falta de planejamento adequado dos orgãos responsáveis pela organização.

Pelo que se viu, o caos anunciado nos sistemas de recepção e transporte de torcedores, as falhas no funcionamento dos aeroportos e o temor com a segurança dos turistas foram previsões que, na prática, não se confirmaram, tampouco a ocorrência das prometidas manifestações de rua, que ficaram restritas a pequenos protestos ocasionais de diminuta representatividade. Com isso, ressaltou-se a demonstração de competência dos brasileiros, que souberam garantir as condições estruturais e tecnológicas utilizadas no evento, bem como oferecer acomodações adequadas aos atletas, jornalistas e milhares de turistas presentes no País.

Com isso, mais do que simplesmente atender as demandas esportivas, o Brasil pode se aproveitar da ampla cobertura midiática habitualmente dispensada à Copa para destacar sua capacidade de assumir e cumprir compromissos, em muitos casos com sofisticação e eficiência produtiva. Somadas às belezas naturais e riqueza cultural do povo brasileiro, que primou pela qualidade de bem receber, esses aspectos positivos indubitavelmente representam uma contribuição expressiva para alavancar de vez a indústria turística nacional, criando assim um novo paradigma para o setor.

Mais do que obrigar a construção de estádios e a implementação de novos equipamentos de infrestrutura urbana, a realização da Copa, sem dúvida, influenciará na formação e mobilização de novas gerações de brasileiros, cientes de que serão capazes de demonstrar ao mundo soluções de sucesso para a obtenção de dividendos futuros. Da mesma forma, é de se esperar que a postura solidária e profissional demonstrada durante a realização do evento, revelada nos mais variados setores, permaneça presente no cotidiano de vida dos brasileiros, que merecem o mesmo tratamento dispensado aos visitantes. O País revelou sua capacidade de atingir os padrões impostos pela Fifa, portanto agora é a vez de estendê-los às áreas fundamentais para também atender, com qualidade e eficiência, as demandas sociais da população.