Celso Evora

Portos do crime

Confira a coluna do jornalista Celso Evora

08 de julho de 2019 - 15:00

Compartilhe

Agentes da Alfândega da Receita no Porto de Santos apreenderam mais de meia tonelada de cocaína em um contêiner, com uma carga de tambores de suco de laranja congelado, destinado a Roterdã, na Holanda, A droga foi descoberta no último final de semana, durante ação de rotina.

No mesmo período, a alfândega do Senegal apreendeu cerca de 800 quilos de cocaína vindos do Brasil e escondidos em veículos fabricados no Paraná, que estavam a bordo de um navio no porto de Dacar.

Notícias de apreensão de drogas nos portos brasileiros, principalmente no Porto de Santos, têm se tornado recorrente nos últimos anos. Especialistas apontam que o aumento nas apreensões, que começou a ser notado a partir de 2016, indica atuação mais qualificada das forças policiais, com trabalho de inteligência, mas também denota que as facções criminosas têm atuado com mais intensidade para escoar produtos ilegais e manter seu ritmo de crescimento.

Rota

De qualquer forma, o porto de Santos se transformou, nos últimos anos, na principal rota internacional do tráfico e grande fonte de receita do crime organizado no Brasil. Mensalmente, toneladas de cocaína são embarcadas rumo à Europa.

As drogas entram no País pela floresta Amazônica e como o Brasil tem grandes extensões de faixa de fronteira e que são precariamente monitoradas não existem muitos impedimentos.

Depois disso, seguem para os portos, aeroportos e pistas de pouso clandestinas, sendo enviadas toneladas para os grandes centros, em diferentes regiões do planeta. A falta de vigilância nesses locais criou uma alternativa lucrativa para escoamento de drogas, armas, contrabando de mercadorias e outros negócios do crime organizado.

Revés

Nos primeiros cinco meses desse ano, a Receita Federal apreendeu um volume de cocaína quase 150% maior do que no mesmo período do ano passado. Foram 21 toneladas e a maior parte recolhida em São Paulo, segundo dados da Globonews obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

O aumento tão expressivo dessas apreensões está numa mudança de procedimento da receita no porto de Paranaguá, por exemplo. Os agentes encontraram mais de 800 quilos de cocaína escondidos num braço da escavadeira. A droga ia para Roterdã, na Holanda.

O esquema foi descoberto por um scanner instalado em um túnel. É um raio-x que mostra detalhes das cargas dentro dos contêineres. Todos os caminhões que entram lá têm de passar por esse tipo de fiscalização.

O combate ao tráfico de drogas tem que ser pensado agora, além das fronteiras terrestres, com a inclusão de novas tecnologias em rodovias, portos e aeroportos que ampliem a segurança desses locais. Enquanto o Brasil continuar a ser um importante “corredor” do tráfico de drogas, o consumo cresce e continuaremos perdendo nossos jovens para essa guerra maldita.