Escritor mostra importância de fortes paulistas e defende reconhecimento mundial | Boqnews
Capa do livro Fortins, Fortes e Fortalezas. Foto: Nando Santos

História

13 DE JANEIRO DE 2023

Escritor mostra importância de fortes paulistas e defende reconhecimento mundial

Professor e escritor Elcio Secomandi, 87 anos, é um dos maiores especialistas em fortificações, em especial, as da Baixada Santista

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Apesar de sua importância histórica, o Estado de São Paulo não conta com qualquer patrimônio reconhecido pela Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Desde 2015, o Iphan – Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional encaminhou ao órgão internacional um conjunto de bens seriados composto por 19 fortificações coloniais espalhadas pelo Brasil.

E no caso do Estado de São Paulo, duas fortificações estão na listagem.

Casos do Forte da São João, em Bertioga, e a Fortaleza da Barra Grande, em Guarujá, ambos mantidos atualmente pelas respectivas prefeituras municipais.

Após correções no projeto, o Iphan luta contra o tempo para ver o patrimônio histórico reconhecido  de forma internacional em forma de pertencimento.

Ou seja, um dos atributos subjetivos a serem analisados pela Unesco, como um conjunto de bens seriados a serem indicados para o Patrimônio Mundial.

O prazo se encerra em 2025.

Se aprovado, será a oportunidade do Estado de São Paulo – o mais rico e importante da federação – ter seus dois primeiro patrimônios reconhecidos internacionalmente.

Ambos, aliás, na Baixada Santista.

Enquanto isso, pesquisadores, escritores, militares, artistas e outros profissionais se unem para destacar a importância dos nossos fortes e fortalezas.

Livro Fortins, Fortes e Fortalezas

Dessa forma, nasceu o livro Fortins, Fortes e Fortalezas – Por eles vereamos o Brasil edificado.

Ele será lançado em fevereiro, na sede da Unisanta – Universidade Santa Cecília, sede da Associação Santista de Letras. A data ainda não foi definida.

Ao lado de outros profissionais (Clotilde Paul – in memoriam, Cristian Carbone e João Jorge Peralta, ambos coautores), o professor, escritor e especialista em fortes e fortalezas, Elcio Rogerio Secomandi trava uma verdade luta pelo reconhecimento das autoridades para a importância destes patrimônios históricos edificados há mais de cinco séculos.

“Não entendo o porquê São Paulo não ter patrimônio da humanidade até hoje. Há necessidade de empenho de todos para cuidar disso”, salienta Secomandi, um dos autores da obra e membro da Academia Santista de Letras.

“Este assunto não pode morrer”, acrescenta.

Professor Secomandi: defensor da riqueza histórica por meio dos fortes e fortalezas nacionais. Foto: Carla Nascimento

Jornal Enfoque

Secomandi participou do Jornal Enfoque desta sexta (13).

Na ocasião,  falou sobre o novo livro e a importância histórica dos fortes e fortalezas da Baixada Santista e do País.

Uma verdadeira aula de História.

Além da Fortaleza da Barra Grande e do Forte São João, a região conta com o Forte do Itapema (inativo).

Além de dois mantidos pelo Exército em meio à vegetação: Forte dos Andradas (Guarujá) e Itaipu (Praia Grande).

Outros dois integraram a defesa das terras do litoral paulista no passado.

No entanto, desapareceram: o Forte Augusto e de Nossa Senhora do Monte Serrat, padroeira de Santos, que também dá nome a um forte no litoral baiano.

Nascimento

Assim, o livro nasceu de um fato histórico envolvendo duas fortificações coloniais que tem o mesmo nome de santo (Forte São João, em Bertioga, e o homônimo, no Rio de Janeiro), que contribuíram para a manutenção territorial do Brasil.

Afinal, em 1565, a expedição de Estácio de Sá saiu do Forte de São João – em Bertioga – para reconquistar a Baía da Guanabara, no Rio de Janeiro.

E assim, uma expedição marítima realizada com veleiros, as ‘caravelas dos dias atuais’, realizou a epopeia 450 anos depois de Estácio de Sá que expulsou os franceses e deu origem à cidade do Rio de Janeiro, que se tornou a capital do País posteriormente.

Dessa forma, surgiu o Diário de Bordo Fotográfico, com base nas fotos cedidas pelo comodoro da expedição marítima, professor doutor Volnys Bernal.

Dessa forma, todo o material da obra contou com apoio da MSC, que imprimiu 500 cópias, para serem distribuídas gratuitamente.

Além disso, o conteúdo está disponível neste link

 

Programa completo

Confira a entrevista concedida ao jornalista Francisco La Scala pelo professor Elcio Rogério Secomandi.

Assim, aos 87 anos, ele mantém o vigor e sonho do reconhecimento de um importante momento da história colonial brasileira para tornar nossos símbolos como de reconhecimento internacional.

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.