ETC
Cultura

Festival O Som das Palafitas, do Arte no Dique continua nesta sexta e sábado

Realizado de maneira online em virtude da pandemia, evento tem shows de atrações regionais em setembro e início de outubro

11 de setembro de 2020 - 13:29

Da Redação

Compartilhe

O festival O Som das Palafitas tem levado anualmente apresentações musicais – gratuitas – de nomes como Armandinho Macedo, Luiz Caldas, Geraldo Azevedo, Hamilton de Holanda e A Cor do Som ao Dique da Vila Gilda, em Santos, comunidade onde mais de 25 mil pessoas vivem sobre palafitas, a maior favela do gênero no país e uma das maiores da América Latina.

A iniciativa do Instituto Arte no Dique e presente no calendário oficial da cidade busca promover a democratização do acesso à cultura, a formação de plateia para a música brasileira, o fomento da economia criativa local (moradores da comunidade podem armar barraquinhas e comercializar seus produtos), e o intercâmbio entre músicos consagrados da música popular brasileira e artistas regionais, que sempre abrem os shows.

Por conta da pandemia do coronavírus, O Som das Palafitas é realizado online este ano. Se há a perda do contato próximo entre artistas e público, por outro lado o evento pode ser acompanhado em qualquer parte do mundo e evento ganha caráter filantrópico. Durante os shows, transmitidos nas redes sociais da instituição no formato live, há um QR Code no qual as pessoas poderão fazer doações. Assim, o valor arrecadado será usado para a compra de equipamentos utilizados pela entidade e instrumentos para as oficinas musicais, e também para a reforma da fachada da entidade.

O festival começou na última sexta-feira, 4, com show de Danilo Nunes homenageando Moraes Moreira e seguiu na noite  seguinte com apresentação do DJ Cuco.

Primeira Fase

Esta é a primeira fase do O Som das Palafitas 2020, só com artistas da Baixada Santista. Dessa forma, os shows seguirão sempre às sextas e aos sábados, 20h, com Matheus Vasconcelos (11 de setembro), Simone Ancelmo (12 de setembro), Monna (18 de setembro), Gabriel Prado e Edison Cabeça (19 de setembro), Diego Alencikas (25 de setembro), Conrado Pouza (26 de setembro), Julinho Bittencourt (2 de outubro) e Jotta R (3 de outubro).

Apresentações

“São dez apresentações e 11 artistas da região. É nossa forma de valorizarmos a produção artística local, principalmente nesse cenário bastante difícil para a classe cultural com a pandemia. Muitos deixaram de ganhar o seu sustento do dia a dia com o fechamento de bares, casas noturnos e cancelamento de shows e festivais presenciais, e dependem de iniciativas assim para se manterm”, detalha José Virgílio. “Também esperamos que essa edição seja o embrião de um grande festival de música regional autoral que pretendemos desenvolver, de maneira presencial, a partir de 2021”, destaca o gestor.

Assim, a maior edição já realizada e homenagem a Moraes Moreira

Além disso, o que chama a atenção é o aumento do número de atrações e também os destaques de alcance nacional. Em comum, todos os shows contarão ao menos com uma canção composta por Moraes Moreira, homenageado pelo projeto. O cantor e compositor baiano, que faleceu em 13 de abril, é um dos patronos do Arte no Dique. O presidente do instituto, José Virgílio Leal de Figueiredo é conterrâneo de Moraes e foi amigo do autor de clássicos como Acabou ChorarePreta Pretinha e Pombo Correio, entre muitos outros hits.  Moraes já se apresentou no espaço e batiza o estúdio da organização social. “Foi alguém fundamental na história do Arte no Dique, que nos ajudou a abrir portas, trouxe credibilidade para a ONG e levou o nosso nome Brasil agora”, ressalta José Virgílio.

LEIA TAMBÉM: