ETC
Finanças pessoais

O que fazer para tirar a conta do vermelho

Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que em 2018 cerca de 62,6 milhões de pessoas no Brasil estavam com algum tipo de dívidas em atraso

26 de agosto de 2019 - 19:07

Publieditorial

Compartilhe

Analisar os gastos, resistir aos descontos e cortar gastos desnecessários são a chave para sair deste quadro

A relação com as contas de casa não anda boa entre os brasileiros.

Uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) apontou que, ao final de 2018, cerca de 62,6 milhões de pessoas no Brasil estavam com algum tipo de dívidas em atraso.

Isso representa uma fatia de 40% da população adulta do país.

A alta taxa de desemprego atual e o aumento do salário ter sido abaixo da inflação ajudaram na formação deste quadro.

A falta de controle sobre as finanças também é um problema: compras desnecessárias, muitas vezes motivadas ao ver produtos com descontos atrativos, colaboraram para pesar no orçamento e não fechar o mês.

Se você está passando por esta necessidade agora, veja neste texto algumas dicas para controlar o orçamento e melhorar a saúde financeira da sua residência.

Calcular as despesas antes de tomas decisões ajuda a evitar aborrecimentos

Medidas para sair do vermelho

A seguir, nós listamos algumas dicas para você sair do vermelho.

 

Veja com o que está gastando

Se a intenção é sair da situação em que se encontra, o primeiro passo é ter uma ideia de como está o quadro atual.

Anote todos os seus gasto no mês, das contas mais importantes, como água, luz e comida, até os gastos menores e mais corriqueiros, como lanches na rua.

A partir daí, você terá uma noção melhor para o quê o dinheiro está sendo gasto.

Em caso de uma renda fixa mensal, será fácil perceber se o valor das despesas está superando o do salário.

E com tudo anotado, terá uma ideia do que deve ser uma prioridade e do que pode ser cortado, planejando todo seu orçamento.

 

Resista aos descontos

Esse é o famoso “o barato sai caro”. Viu aquela promoção de 50% na loja de roupas?

O “Pague 3 leve 4” no supermercado?

Desconto de até R$ 10 reais no aplicativo?

Antes de pagar, pare e repense a necessidade deste gasto.

Muitas vezes, as compras desses produtos e serviços em desconto são as que derrubam o orçamento.

Esses descontos podem até ser uma boa para quem está mais folgado, mas para quem quer controlar as finanças, são uma armadilha.

Muitas vezes, envolve o gasto com algo que você não precisa no momento, ou para além do necessário.

Esteja sempre alerta nesse quesito.

 

Corte os supérfluos

Além de evitar comprar coisas em promoção que não precisa, outra saída da dívida é cortar os gastos sem necessidade.

Se pode levar algum lanchinho de casa para o trabalho, para não comprar comida na rua, faça isso.

Se consegue ir a um encontro com os amigos usando o transporte público ao invés do aplicativo, opte pelo primeiro.

Muito desses gastos estão em coisas que você gasta no dia-a-dia e que, em geral, custam pouco.

Na hora, pode parecer uma despesa pequena e sem importância, mas que vão se acumulando ao longo do mês e causam estrago no final.

O dinheiro dessas despesas pode ser essencial para ficar em dia com as principais.

 

Organização e Conscientização

A mudança de hábito na educação financeira deve ser um aprendizado para toda vida.

Passe a sempre anotar os gastos da casa, até mesmo anotando os gastos diariamente.

Veja quando as contas vencem para não ficar atrasado, podendo, se preferir, colocar as possíveis em débito automático, para não sofrer com multas de atraso.

E crie consciência, com o restante da sua família, da importância de controlar o orçamento.

Converse com todos, explique, sobretudo para as crianças, os limites do dinheiro, e incentive todos a estarem atentos na economia.

Uma vez as dívidas estando zeradas, família irá sofrer menos no longo prazo.

 

Como sair do SPC

As empresas recorrem a instituições como o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e o Serasa para verificar se a pessoa está com dívidas.

Se o nome dela estiver ‘sujo’, isso dificultará o acesso a novas linhas de crédito e empréstimos, por exemplo.

Por isso, a importância de sempre estar com as contas em dia.

Procure se informar sobre sua situação indo até uma dessas instituições, em postos de atendimento de serviço gratuito.

Isso deve ser feito presencialmente, portando documento de identidade e CPF.

Em caso de terceiros, eles devem levar, também, uma procuração.

Para regularizar a situação, é necessário que a pessoa vá até o estabelecimento que está em dívida e a pague.

Feito isso, a empresa tem até cinco dias úteis para excluir o nome do cliente em cadastros como o do SPC e Serasa.

Nessa situação, a empresa também deve mostrar o documento que comprova a quitação da dívida.

LEIA TAMBÉM: