Inflação é maior para famílias mais carentes | Boqnews
Foto: Divulgação

Economia

09 DE MARÇO DE 2016

Inflação é maior para famílias mais carentes

A inflação medida pelo INPC, que pesquisa famílias com renda de até cinco salários mínimos, foi ligeiramente superior a do IPCA, que abrange um público maior.

Por: Nielmar de Oliveira
Agência Brasil

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}
A inflação medida pelo IPCA foi maior para as famílias de baixa renda do que a medida para as classes mais abastadas

A inflação medida pelo INPC foi maior para as famílias de baixa renda do que a medida para as classes mais abastadas. Foto: Divulgação

A inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a variação de preços para as famílias de menor renda (entre 1 a 5 salários mínimos) subiu 0,95% em fevereiro, ficando 0,5 ponto percentual acima do IPCA do mês (0,90%), que analisa a variação de preços para as famílias com rendimento de até 40 salários mínimos.

Os dados foram divulgados hoje (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Segundo o IBGE, a taxa de 0,95% relativa ao INPC de fevereiro foi 0,56 ponto percentual inferior ao INPC de janeiro: 1,51%.

Com o resultado, o INPC acumula alta de 2,47% nos dois primeiros meses do ano, resultado superior aos 2,18% do IPCA acumulado no bimestre – 0,29 ponto percentual maior. Nos últimos doze meses, o índice ficou em 11,08%, abaixo dos 11,31% dos doze meses anteriores. Em fevereiro de 2015, o INPC foi 1,16%.

Alimentos

Os produtos alimentícios tiveram alta de 1,19% em fevereiro, enquanto em janeiro subiram 2,41%. O grupo dos não alimentícios teve variação de 0,84% em fevereiro, abaixo da taxa de 1,11% de janeiro. O maior índice regional foi de Recife (1,61%), destacando-se a alta de 9,24% nas tarifas dos ônibus urbanos. As menores taxas ficaram com Vitória (0,4%) e Campo Grande (0,44%), onde os preços dos alimentos subiram 0,44% em ambas as cidades, bem abaixo da média nacional (1,19%).

Para o INPC, o IBGE adota a mesma metodologia de cálculo do IPCA. A diferença entre os dois índices envolve os rendimentos das famílias, mas a abrangência é idêntica: as mesmas dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.