nacional

França tem pelo menos 8 milhões de pessoas na faixa de pobreza, diz estudo

Estudo intitulado Rendas Fiscais e Sociais, do Instituto Francês de Estatísticas e Estudos Econômicos (Insee, na sigla em francês), revelou…

30 de agosto de 2011 - 11:54

Da Redação

Compartilhe

Estudo intitulado Rendas Fiscais e Sociais, do Instituto Francês de Estatísticas e Estudos Econômicos (Insee, na sigla em francês), revelou que houve um freio no ritmo de crescimento do nível de vida na França e aumentou a taxa de pobreza no país. Os dados indicam que 8,2 milhões de franceses estão na faixa de pobreza, o equivalente a mais de 13% da população.

De acordo com o estudo, a elevação da taxa de pobreza está diretamente ligada ao crescimento do desemprego no país. Em 2008, o índice era 7,4% e, no ano seguinte, subiu para 9,1%. Na França, são consideradas pobres as pessoas que ganham menos de 954 euros por mês – cerca de R$ 2,2 mil. Pelos dados, houve aumento de 0,5% do número de pobres em relação à pesquisa anterior (de 2009).

A crise econômica mundial provocou um impacto social e no mercado de trabalho na França em 2009, de acordo com a pesquisa do Instituto Francês de Estatísticas e Estudos Econômicos. O estudo se baseou em dados de 2009 e revela o impacto da crise econômica mundial na sociedade francesa.

Para o instituto de pesquisas francês, os efeitos da crise não foram mais graves porque o governo francês adotou medidas pontuais, como a elevação do valor de forma progressiva do salário mínimo pago à camada mais pobre da sociedade. O estudo indica ainda que há mais pobres até entre os que trabalham.

Cerca de 10% das pessoas, com mais de 18 anos, que estão empregadas vivem abaixo da linha da pobreza, um aumento de 0,6% comparado com o ano anterior. A pesquisa mostra ainda que a desigualdade vem crescendo na França como já demonstrado em estudos anteriores. O levantamento mostrou também que a crise poupou relativamente os aposentados que mantiveram a taxa de pobreza em 9,9% e registraram um aumento médio no nível de vida de 1,3% em 2009.

LEIA TAMBÉM: