Justiça exclui Suzane von Richthofen da herança dos pais | Boqnews
Foto: Divulgação

Crime

20 DE MARÇO DE 2015

Justiça exclui Suzane von Richthofen da herança dos pais

Ré confessa de ter sido mandante do homicídio contra os pais foi considerada indigna pela Justiça para receber a herança

Por: Folhapress

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}
Justiça paulista considerou a jovem impedida de receber a herança da família, avaliada em R$ 3 milhões

Justiça paulista considerou a jovem impedida de receber a herança da família, avaliada em R$ 3 milhões

A Justiça de São Paulo determinou que a herança da família Von Richthofen seja entregue a Andreas Albert von Richthofen, irmão de Suzane. A decisão ocorreu no dia 12, mas só foi divulgada na quinta (19).

O juiz considerou a sentença final, que excluiu Suzane da partilha dos bens por considerá-la “indigna”. Ela foi condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais em 2002. A herança é calculada em mais de R$ 3 milhões. Procurada pela reportagem, a advogada de Andreas não quis se manifestar.

Em entrevista recente ao apresentador Gugu, da Record, Suzane afirmou que o crime foi planejado por meses e que arquitetou o assassinato dos pais junto com o ex-namorado Daniel Cravinhos e o irmão dele, Christian. Suzane afirmou ainda terem sido ela e Daniel os principais mentores dos assassinatos.

Em entrevistas anteriores, Suzane havia apontado os irmãos Cravinhos como idealizadores da morte dos seus pais, embora o Ministério Público sempre tenha defendido que ela era a mentora do crime.
Suzane admitiu ainda que tenta esquecer o crime e voltar ao passado pois se diz arrependida. “Isso é uma coisa que não tem como esquecer. Faz parte da minha vida, da minha história. Eu me arrependo. Queria pular os 14 anos, não ter conhecido ele [Daniel], não ter namorado. Como eu queria”.

A presidiária disse ainda que não vê o irmão Andreas desde 2006, quando aconteceu o julgamento. Segundo ela, ele chegou a visitá-la quando estava presa na capital, mas que o irmão não apareceu mais. “Eu sei que meu irmão sofreu muito, mas como ele passou estes anos, eu não sei. Se eu sofri aqui dentro [no presídio de Tremembé, onde está há sete anos], imagino ele lá fora. Quando ele diz o sobrenome, qualquer um reconhece, e ele terá que carregar isto pra sempre”.

De acordo com ela, Andreas não queria se afastar da irmã após a confissão do crime: “Na época, ele me disse: ‘Su, eu perdi meu pai, minha mãe. Eu não quero perder minha irmã. Eu te perdoo e vou ficar com você'”, disse ela ao apresentador. Ela acredita que um dos motivos do afastamento pode ter sido a herança, da qual abriu mão em 2014.

Na entrevista, ela afirmou não ter consciência do valor do dinheiro do qual abriu mão: “Este dinheiro nunca foi meu. Era dos meus pais e hoje pertence ao meu irmão”, disse.
Por alegar falta de segurança, Suzane pediu à Justiça para revogar o benefício para cumprir a pena no regime semiaberto, que também foi concedido para os irmãos Cravinhos.

Segundo a Secretaria de Estado da Administração Penitenciária, Suzane não quer ir agora para o semiaberto pois teria que ser transferida da penitenciária 1 de Tremembé, onde está.
Na decisão, a juíza diz que a ida ao semiaberto é um benefício, e não pode ser imposta.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.