Dia Mundial do Diabetes, confira formas de prevenção e controle da doença | Boqnews
Foto: Pixabay diabetes

Saúde

14 DE NOVEMBRO DE 2022

Dia Mundial do Diabetes, confira formas de prevenção e controle da doença

16 milhões têm diabetes no Brasil e apenas um em cada quatro tem a glicemia controlada

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

A Sociedade de Cardiologia promove ação de conscientização para o Dia Mundial do Diabtes, (hoje) 14 de novembro. O principal objetivo é mostrar de que forma a alimentação pode ser uma aliada na prevenção e no controle da doença, que eleva em cinco vezes o risco cardiovascular.

Dessa forma, dez por cento da população adulta do mundo têm diabetes do tipo 2. Além disso, ela poderia ser evitada com alimentação saudável e prática regular de atividade física.

Contudo, no Brasil, são 15,7 milhões de pacientes com diabetes, tornando o país o sexto com maior incidência. Sendo assim, fica atrás apenas de China, Índia, Paquistão, EUA e Indonésia e a previsão de chegarmos em 2.030 a 23,2 milhões.

Desse modo, entre aqueles que já têm a doença, apenas 25% mantêm valores de glicemia dentro das metas preconizadas. Esse dado foi constatado no Estudo Epidemiológico de Informações da Comunidade – EPICO, da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo – SOCESP.

Portanto, o EPICO analisou mais de nove mil pessoas de unidades básicas de saúde de 32 cidades paulistas.

Dessa maneira, 95% dos diabéticos estão acometidos com o tipo 2 da doença. Inclusive, é a patologia mais reincidente em obesos acima dos 40 anos, quando não há dependência de insulina.

“Os diabéticos têm até cinco vezes mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares na comparação com não diabéticos”, alerta a diretora da SOCESP, Maria Cristina Izar. As complicações cardiovasculares são responsáveis por 68% das mortes entre diabéticos acima de 65 anos. Infarto, insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral e doença arterial obstrutiva periférica são as principais causas de óbito. “A conscientização sobre a doença, que é sorrateira, deve acontecer o mais breve possível”, recomenda a cardiologista.

Campanha

A SOCESP, cumprindo seu papel junto à população, lança uma campanha, em novembro, pela passagem do Dia Mundial do Diabetes.

Além disso, a ação conta com publicação de posts em mídias sociais, exibição de vídeos e podcasts, além de informações sobre o tema via site, para alertar sobre os riscos que o descontrole pode causar ao coração e à saúde de maneira geral.

As ações estarão centradas também em mostrar de que forma a alimentação pode ser uma aliada na prevenção. E, para isso, publica um e-book gratuito que faz parte da série Diálogos com a Nutrição com base em Posicionamento sobre o Consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular.

 

Alimentos

Entre os alimentos ricos em gordura saturada que devem ser restritos para evitar o diabetes e outras doenças como AVC, aterosclerose e pressão alta estão carne com gordura aparente, vísceras, óleo de coco, banha de porco, bacon, sobrecoxa e coxa de frango com pele, leite integral e queijos amarelos, além dos industrializados, como biscoitos recheados, bolos, salgadinhos e sorvetes.

“Afirmar que nenhum desses alimentos pode participar de nossas refeições é uma condição difícil de cumprir. Mas devemos ter em mente que estes consumos devem ser a exceção e não a regra”, orienta a diretora executiva do Departamento de Nutrição da SOCESP, Juliana Kato.

Já os vegetais e peixes frescos estão convidados para a nossa mesa diariamente. “Muitos trabalhos científicos mostram relação direta entre a substituição de parte da gordura saturada por poli-insaturados, como é o caso dos ácidos graxos e ômega 6 e ômega 3. O principal representante do ômega 6 é o ácido linoleico, cujas fontes são os óleos de girassol, milho e soja, além de nozes e castanha-do-Pará. Já os ácidos graxos da série ômega 3 são o ácido alfalinolênico de origem vegetal, encontrado na soja, na canola, na linhaça e na chia; e os ácidos eicosapentaenoicos (EPA) e docosaexaenoico (DHA), provenientes de peixes e crustáceos de águas muito frias dos oceanos Pacífico e Ártico. Mas a sardinha, a cavala e o atum também são boas fontes desses ácidos graxos”, indica a cardiologista.

Os ácidos graxos linoleico e alfalinolênico são considerados essenciais aos seres humanos, uma vez que não são produzidos pelo corpo, mas necessários em várias funções, incluindo a saúde cardiovascular, prevenção do câncer, função cognitiva, entre outras, sendo vital a ingestão por meio da alimentação.

Por fim, a diretora da SOCESP destaca que o equilíbrio é essencial em qualquer cardápio ou dieta.

“Devemos evitar, não proibir, o que sabidamente faz mal ao corpo, como as gorduras e os industrializados, e criando rotinas alimentares que incluam frutas, legumes e verduras. Devemos pensar na alimentação como um todo e não focado em apenas um alimento”, finaliza a nutricionista Juliana Kato.

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.