Saúde

Por vacina contra a febre amarela, filas crescem em policlínicas de Santos

De 3 a 24 de fevereiro, 59 municípios paulistas, inclusive os 9 da Baixada Santista, farão campanha e mutirão de vacinação contra a febre amarela.

11 de janeiro de 2018 - 18:21

Da Redação

Compartilhe

Bastou a mídia divulgar o surgimento de casos de febre amarela no Estado de São Paulo – nos últimos 12 meses, foram 13 mortes – que as pessoas correram aos postos de saúde das cidades.

Ainda mais com a divulgação da lista dos 52 municípios – incluindo os nove da Baixada Santista – que serão contemplados com a campanha de vacinação.

E que ocorrerá de 3 a 24 de fevereiro, incluindo a abertura de unidades de saúde em dois sábados, 3 e 24 (considerados os Dias D).

O uso será da dose fracionada, ou seja, uma  será capaz de imunizar cinco pessoas.

A diferença é o tempo de validade: até 9 anos.

As anteriores eram para período indeterminado.

Aliás, quem já tomou a dose completa em outras ações no passado pode ficar tranquilo, pois não há necessidade de nova dose.

As filas dos postos de saúde que atendem a população, como da Aparecida, começam duas horas antes do início do atendimento. Movimento é crescente. Foto: Nando Santos

Garantir a vacina

Mas como prevenir é melhor que remediar, muita gente foi para as filas para garantir as doses completas.

Na policlínica da Aparecida, o atendimento é crescente, com filas constantes para garantir a imunização.

Se a situação foi tranquila no final do ano, hoje quem comparece à unidade de saúde necessita de muita paciência para ser atendido, em razão da extensa fila. Mas ela flui bem.

Na segunda (8), foram 98 atendimentos; 145 na terça (9) e 215 na quarta (10), número que será facilmente ultrapassado nesta quinta (11) em razão do constante vai-e-vem de pessoas.

“A procura tem sido intensa”, reconhece a enfermeira Eliane Bittencourt, chefe de seção da Seub (policlínica) Aparecida.

A fila só começou a diminuir por volta das 15 horas, quando as últimas senhas foram entregues (o atendimento nesta unidade é das 11 às 15 horas).

Ela destaca que outras três unidades em Santos também realizam o atendimento em horários diferenciados para atendimento à população, o que poderia evitar as extensas filas.

Somente nas quatro unidades onde há a aplicação da vacina contra a febre amarela foram cerca de 730 pessoas vacinadas na quarta (10).

Apesar que a prioridade de vacinação é para quem viajará para áreas endêmicas (regiões do Norte, algumas do Nordeste, Centro-Oeste, Minas Gerais e algumas regiões do interior paulista), muitos estavam na fila para se garantir, com medo nas informações divulgadas pela mídia.

“Vou viajar”, disse uma senhora que não quis se identificar à Reportagem.

“Para onde?”, indagou o repórter. “Não sei, mas vou viajar”, garantiu.

A resposta reflete o temor de muitos, especialmente idosos, com o risco do mosquito, ainda mais que o mesmo transmissor da dengue também pode ser responsável pela febre amarela.

E de dengue, aliás, os moradores da região conhecem bem.

 

Sem pânico

“Não há motivo para pânico. Não há registro de febre amarela nem em humanos, nem em macacos em Santos”, destaca a chefe do Departamento de Vigilância em Saúde, Ana Paula Valeiras.

“A orientação, neste momento, é que apenas as pessoas que têm viagem marcada para regiões de risco da doença sejam vacinadas”, enfatiza.

 

Contra-indicações

Deve-se salientar que nem todos podem tomar a dose da vacina. Ela é contra-indicada para pessoas. Saiba mais aqui.

  • Crianças menores de 6 meses de idade.
  • Pacientes com imunodepressão de qualquer natureza.
  • Pacientes infectados pelo HIV com imunossupressão grave, com a contagem de células CD4 <200 células/mm3 ou menor de 15% do total de linfócitos para crianças menores de 6 anos.
  • Pacientes em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores).
  • Pacientes submetidos a transplante de órgãos.
  • Pacientes com imunodeficiência primária.
  • Pacientes com neoplasia.
  • Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica).
  • Indivíduos com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina bovina ou outras).

 

 

Campanha

Nesta quinta-feira (11), o Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE) do Estado se reuniu com representantes das prefeituras da Baixada Santista para tratar da campanha de vacinação contra a febre amarela.

Ela começará no dia 3 de fevereiro e seguirá até 24.

Em Santos, o público alvo é de cerca de 420 mil pessoas, com foco na prevenção, já que a doença não circula no Município.

As doses estarão disponíveis em quatro postos, de segunda a sexta-feira:

  • Policlínica da Aparecida (Avenida Pedro Lessa, 1.728), das 11h às 15h;
  • Policlínica da Ponta da Praia (Praça 1º de Maio s/nº), das 16h às 19h;
  • Centro de Saúde Martins Fontes (Rua Luiza Macuco, 40), das 9h às 13h;
  • Policlínica da Vila Mathias (Rua Xavier Pinheiro, 284), das 9h às 13h.

Para quem viajar ao exterior, alguns países exigem a carteira de vacinação, como o Panamá (muitas vezes usado em escala para os Estados Unidos).

Assim, deve-se fazer o pré-cadastro neste link.

Para estes casos, o atendimento ocorre em dois endereços na Baixada Santista:

  • Policlínica da Aparecida – segunda a sexta – das 11 às 15 horas (Av. Pedro Lessa, 1728 – telefones 3219-2510/3231-6548)
  • Unidade de Atendimento Guarujá – Av. Leomil, 518 – Praia de Pitangueiras – das 10 às 14 horas.

LEIA TAMBÉM: