Meio Ambiente

Trecho de mangue do Dique da Vila Gilda será recuperado

Trecho de mangue do Dique da Vila Gilda será recuperado como objeto de estudo. Objetivo é comprovar a possibilidade de recuperação ambiental de áreas. Ao todo, 3.200 metros quadrados serão recuperados.degradadas.

20 de abril de 2018 - 19:09

Da Redação

Compartilhe

Uma área degradada de Santos poderá ter vida nova em breve.

Recentemente, o Instituto EcoFaxina realizou uma visita técnica à favela de palafitas Dique da Vila Gilda.

A área, que já foi ocupada por barracos de palafitas, sofreu um  incêndio em janeiro de 2017 que destruiu cerca de 200 barracos.

Um pouco mais de ano depois, terá início a limpeza e o reflorestamento de 3.200 m2 de mangue, em ação conjunta entre o Instituto EcoFaxina, comunidade e Prefeitura de Santos

A ação faz parte de um estudo conduzido pela estudante de Ecologia da UNESP-CLP, Larissa Lazzari, que acompanhará durante 12 meses o desenvolvimento das árvores, servindo como Trabalho de Conclusão de Curso.

Instituto Ecofaxina vai atuar na recuperação de 3.200 metros quadrados de manguezais junto ao Dique da Vila Gilda. Foto: Divulgação

Recuperação

O objetivo principal do estudo é colocar em prática e demonstrar a viabilidade da recuperação de áreas degradadas de mangue como ferramenta de congelamento de favelas de palafitas no estuário de Santos e São Vicente.

Assim, o objetivo é buscar a recuperação dos serviços ecossistêmicos.

E sobretudo a redução do descarte de resíduos sólidos e esgoto no manguezal e do aporte de plástico no ambiente marinho.

Para esta primeira ação, os voluntários farão a retirada de todos os resíduos sólidos, incluindo o entulho.

Ele será utilizado pela subprefeitura da Zona Noroeste na construção de uma quadra de futebol de salão para as crianças da comunidade.

Após a limpeza será realizado o plantio de propágulos de mangue coletados no estuário.

Também está programada uma coleta de amostras de água, sedimentos e organismos para análises de poluentes.

E ainda: a verificação da concentração de microplástico no ecossistema e no interior de peixes e siris.

O estudo está integrado ao projeto Sistema Ambiental de Coleta de Resíduos, que tramita na Secretaria do Meio Ambiente de Santos.

Ele prevê limpeza, reflorestamento de áreas degradadas de mangue, instalação de ecobarreiras para contenção de resíduos sólidos flutuantes.

E ainda: geração de renda para famílias que habitam palafitas por meio da reciclagem.

Serviços Ecossistêmicos

Os serviços ecossistêmicos (SE) são os benefícios que o ser humano obtém dos ecossistemas.

Estes incluem serviços de provisão, tais como alimentos e água; regulação, tais como a regulação de inundações, secas, degradação do solo.

E ainda: serviços de suporte, tais como formação do solo e ciclagem de nutrientes; e serviços culturais, como de lazer, espiritual, religioso e outros benefícios não materiais.

Dentre os diversos serviços ambientais prestados pelo manguezal, como retenção de sedimentos, regulação do clima, proteção da faixa costeira.

E também: manutenção da qualidade da água e dos estoques pesqueiros, destaque também ao importante papel que ele desempenha na região da Zona Noroeste de Santos em relação à macrodrenagem do solo.

92ª Ação Voluntária EcoFaxina

– SERVIÇO VOLUNTÁRIO: Coleta de resíduos sólidos em área de preservação permanente.

O QUE É FORNECIDO: transporte, coletes de identificação, sacos de lixo, protetor solar, repelente, luvas e botas (uso obrigatório). Certificado de participação – 5 horas.

Assim, aconselha-se o uso de roupas leves, meias para usar botas e mochila para guardar itens pessoais, como lanche, água, documentos, celular, etc.

TRANSPORTE: saída do ônibus às 8:00 da rua Oswaldo Cruz, 266, Boqueirão.

Mapa: http://bit.ly/2Bj26S8. Retorno previsto às 15 horas.

INSCRIÇÕES: Através do formulário online em http://bit.ly/92EcoFaxina

Sujeito a mudança de data conforme condições climáticas.

 

LEIA TAMBÉM: