Com novo sistema, bicicletas sobram nas estações da Bike Santos | Boqnews
Foto: Francisco Arrais/Divulgação-PMS

Mudanças

29 DE NOVEMBRO DE 2017

Com novo sistema, bicicletas sobram nas estações da Bike Santos

Antes difíceis de encontrar nas estações em razão da demanda, agora sobram bicicletas do Bike Santos. Para a CET, é cedo para fazer qualquer balanço.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Cena relativamente comum nos primeiros dias da alteração do Bike Santos: bicicletas sobram nas estações. Foto: Francisco Arrais/Divulgação-PMS

A mudança na forma de cobrança do sistema do Bike Santos, onde o usuário deixou de ter direito aos primeiros 45 minutos de gratuidade, provocou uma cena incomum: a presença constante de bicicletas nas 37 estações espalhadas pelas ruas da Cidade (zonas leste e noroeste).

Levantamento do Boqnews realizado nos três primeiros dias em vigor da mudança junto ao site com o painel  de magrelas disponíveis mostrava mais de 50% dos modelos estacionados.

A cena era impensável até a semana passada, quando o uso era livre, dentro de regras estabelecidas anteriormente.

Na segunda (27), primeiro dia em atividade, às 17h30 – horário considerado de fluxo – existiam 164 bicicletas vagas (de um total de 200) e apenas quatro estações estavam sem os equipamentos. Equivalente a 82% do total

Na terça (28), às 17 horas, eram 127 disponíveis (63,5%) e na quarta, às 13 horas, eram 120 modelos livres de uso (60%).

Aguardar balanço

O presidente da CET, Rodrigo Vilani, acha prematuro qualquer tipo levantamento neste momento para avaliar o impacto desta mudança.

Ele espera ter uma noção do resultado da alteração contratual do serviço, iniciado em 2012 na Cidade, dentro de um mês.

Até quarta (29), cerca de 700 pessoas já haviam aceitado a nova forma de uso.

A expectativa é fechar a semana com mil usuários cadastrados.

Não se sabe, porém, a forma de pagamento mais adotada (diária, mensal, semestral ou anual).

No modelo anterior, existiam 100 mil usuários cadastrados, sendo 25 mil habilitados.

Ou seja,  eram ciclistas que usavam as bicicletas com alguma frequência (a validade de uso era de um ano).

“A mudança pretende fidelizar o usuário”, esclarece Vilani.

Ele destaca que a alteração contratual busca combater um velho e conhecido problema: o vandalismo.

“Diariamente, 30 bicicletas (de um total de 370) eram recolhidas por algum tipo de problema provocado, geralmente, por mau uso”, lamenta.

Com a alteração, o presidente da CET espera que o ciclista – que paga pelo serviço – seja um fiscal para evitar estragos nos modelos.

A principal mudança prática é que os modelos alaranjados foram substituídos por outros, com tons esverdeados, seguindo a cor do novo patrocinador (Unimed).

Bicicletas semelhantes já estão em circulação em outras praças, como Vitória (ES), Belém (PA) e Fortaleza (CE).

Aliviando as despesas

A alteração contratual vai aliviar as contas da CET em R$ 1 milhão/ano, quase 5% do total do orçamento da empresa.

O valor é o previsto, conforme contrato com a Prefeitura para 2018 (mesmo montante do atual), quantia, porém, que depende da aprovação da Câmara (a primeira discussão deverá ocorrer nesta quinta, dia 30).

Com a mudança, a CET deixa de arcar pelo serviço, ficando a vencedora da licitação, a Serttel (que já operava o sistema desde o início) como responsável plena da atividade.

No entanto, a fiscalização permanecerá com a empresa municipal.

 

Os usuários poderão agora usar as bicicletas pagando pelo uso diário, mensal, semestral ou anual, todos feitos pelo aplicativo. Foto: Isabela Carrari/Divulgação-PMS

Formas de arrecadação

Para se livrar deste custo, a CET alterou o contrato nesta última licitação, vencida em setembro, que prevê três formas de rentabilidade pelo serviço prestado à empresa Serttel.

A primeira é a cobrança para uso das bicicletas.

O usuário deve se cadastrar (clique aqui) no site e optar por um dos planos de adesão: o passe diário (R$ 5,00), o mensal (R$ 10,00), o semestral (  R$ 8,30/mês – total R$ 49,80) ou anual (R$ 7,50/mês – total R$ 90,00), via cartão de crédito, feita pelo aplicativo Bike Santos, onde o usuário pode até relatar as condições dos equipamentos.

A outra forma é publicidade institucional nas bikes.

Hoje, são 200 bicicletas da cor verde disponíveis e até o dia 25 de dezembro outras 170 serão incorporadas à frota ocupando as 37 estações.

A exploração publicitária – antes restrita à CET – passou a ser feita pela operadora do serviço.

Outra forma de exploração comercial por parte da Serttel é que cada estação poderá contar com um painel publicitário medindo 1,80 x 1,20 metros para exploração de mídia comercial (uma espécie de mini-outdoor).

Trata-se de um fator novo, não previsto anteriormente como forma de rentabilidade.

“Os anunciantes passarão por avaliação prévia, mas segmentos como fumo, bebidas alcoólicas e de conteúdo político não serão aceitos”, avisa Villani.

O projeto infantil, hoje patrocinado pela Danoninho Kids não sofreu alteração e continua sob responsabilidade da CET Santos.

Este programa conta conta com cinco estações e 50 bicicletas voltadas a este público,

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.