Defensoria pede R$ 100 mil de indenização a ex-secretário adjunto de Turismo | Boqnews

Santos

27 DE ABRIL DE 2019

Defensoria pede R$ 100 mil de indenização a ex-secretário adjunto de Turismo

Os defensores Isadora Brandão Araujo da Silva e Vinicius Conceição Silva Silva propuseram ação civil pública com pedido de danos morais coletivos

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

A Defensoria Pública de SP ingressou com uma ação civil pública contra o ex-secretário-adjunto de Turismo de Santos, Adilson Durante Filho, pedindo à Justiça a condenação por danos morais coletivos, após virem a público manifestações racistas proferidas por ele.

Um áudio compartilhado via WhatsApp e divulgado em veículos de imprensa e redes sociais na última semana revela uma declaração de Durante Filho.

Na gravação, que se tornou pública e ganhou repercussão nacional, ficando em primeiro lugar no Twitter,  o homem diz que pessoas de cor parda não têm caráter e não são confiáveis.

Ele afirmou, ainda, que há estudos que comprovam a falta de caráter decorrente de miscigenação entre pessoas brancas e negras.

Após a divulgação do áudio e consequente repercussão pública, ele foi exonerado da função na Prefeitura.

Porém, inicialmente foi divulgado apenas seu afastamento da função.

Diante das críticas à atitude da Prefeitura, ele foi exonerado.

O ato foi publicado no Diário Oficial de terça (23).

Ex-secretário-adjunto de Turismo, Adilson Durante

Ação civil pública

Em face das declarações, a defensora Isadora Brandão Araujo da Silva e o defensor Vinicius Conceição Silva Silva, Coordenadores do Núcleo Especializado de Defesa da Diversidade e da Igualdade Racial da Defensoria, propuseram ação civil pública com pedido de danos morais coletivos.

“A manifestação do réu é racista porque sustenta a falta de caráter, honestidade e lealdade, enfim, a inferioridade moral e psíquica inata à população parda, atribuindo-a ao fato de este grupo racial ser produto da miscigenação entre brancos e pretos”, sustentam na ação.

“O discurso do réu dialoga com as doutrinas racistas e eugenistas vigentes no século XIX, que serviram de base para construção de uma ideologia que sustenta a superioridade racial branca e legitima o racismo”, apontam.

A Defensoria pede que a Justiça condene o réu ao pagamento de indenização no valor de R$ 100 mil.

Isso em razão do dano moral coletivo decorrente de suas manifestações de caráter discriminatório à comunidade negra, a ser recolhida ao Fundo de Reparação de Interesses Difusos Lesados, previsto no artigo 13 da Lei n.º 7.347/85.

A verba será revertida para programas de combate ao racismo indicados pela Fundação Palmares.

Embasamento

Para embasar o pedido, Vinicius e Isadora citam a Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial, à qual o Brasil aderiu, e o Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010).

Nele,  em seu art. 1º define a discriminação racial ou étnico-racial como “toda distinção, exclusão, restrição ou preferência baseada em raça, cor, descendência ou origem nacional ou étnica que tenha por objeto anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou exercício, em igualdade de condições, de direitos humanos e liberdades fundamentais nos campos político, econômico, social, cultural ou em qualquer outro campo da vida pública ou privada”.

No pedido, a Defensoria argumenta que toda a comunidade negra foi ofendida em sua integralidade.

“Injustificável permitir que, a pretexto de exercício da liberdade de expressão, sejam veiculadas manifestações que se traduzem em racismo e em incentivo à discriminação”, reforçam os proponentes da ação.

A ação foi distribuída à 5ª Vara Cível da comarca de Santos.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.