RoteirAfro

18 DE NOVEMBRO DE 2021

Passeio pelas ruas de Santos revela relação da cidade com a história dos negros

RoteirAfro permitirá ao público identificar a relação da Cidade com as lutas do povo negro em edificações espalhadas pelo Município, especialmente no Centro Histórico.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

O RoteirAfro Santos é um passeio a pé pelas ruas e pela História da cidade de Santos com temática voltada a cultura, história e cotidiano dos
africanos e afrodescendentes que passaram pela cidade.

Com inscrições limitadas e gratuitas, ele ocorrerá entre os dias 20, 21, 27 e 28 de novembro em alusão ao Dia da Consciência Negra.

O percurso total é de 1,9 km e o tempo previsto é de 1h40.

A saída está marcada para às 9 horas em ambos os finais de semana,

Dessa forma, as inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo link https://rebrand.ly/pbg8fdp.

Informações pelo e-mail [email protected].

Ou pelo Instagram @roteirafrosantos

Assim, contemplado pelo 8º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes (FACULT), o projeto tem patrocínio da Secretaria de Cultura de Santos.

Por sua vez, o trabalho está sob coordenação  do professor de Educação Básica e historiador Odair José Pereira, coautor do Repertório para a História da Escravidão em Santos.

Roteiro ocorre em dois finais de semana, sempre a partir das 9 horas.

História

Dessa forma, a presença de africanos escravizados em Santos remonta aos primórdios da colonização portuguesa nos engenhos de açúcar, passa pelo trabalho forçado nas pequenas lavouras de arroz e mandioca existentes entre os séculos XVII e XVIII até chegar ao cenário urbano construído pela presença do café na segunda metade do século XIX.

Por aqui, homens e mulheres negras lutaram por sua liberdade e pelo direito de manterem suas tradições.

Assim, tais experiências deixaram marcas possíveis de serem vistas até hoje nos espaços públicos.

Portanto, a ideia é transitar por lugares ligados a causa abolicionista, tais como o lendário local que abrigou o Quilombo do Jabaquara.

E ainda:  locais de expressões de poder de religiosidade como a Cadeia Velha e a Igreja do Rosário.

Além de mostrar como o tráfico de pessoas escravizadas possibilitou o enriquecimento de comerciantes, expressado na riqueza arquitetônica de alguns casarões do centro da cidade.

Assim, durante o roteiro, os protocolos relacionados ao controle da pandemia devem ser cumpridos, tais como limite de participantes, disponibilização de álcool em gel e uso obrigatório de máscaras. .

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.