Empregos

Na contramão do estado de SP, Baixada Santista fecha 574 postos no 2º trimestre

Além da perda de empregos, a Baixada Santista também tem registrado queda na participação da economia paulista, conforme dados da Fundação Seade e Ciesp/Fiesp.

19 de agosto de 2019 - 19:57

Fernando De Maria

Compartilhe

Estudo elaborado pela Fundação Seade revela que no segundo semestre deste ano foram criados 75.453 postos de trabalho no Estado de São Paulo.

Ao todo, foram 1.250.041 admissões e 1.175.588 desligamentos.

Este montante equivale a 31,2% do total de empregos no Brasil.

Ou seja, cerca de 1 em cada 3 empregos formais no País estão em São Paulo.

Ao contrário da média paulista, a Baixada Santista perdeu 574 postos de trabalho neste período.

Foram 27.474 admissões e 28.048 desligamentos.

Entre as 8 regiões economicamente que mais empregam no estado, a Baixada Santista foi a única que fechou o trimestre de forma negativa.

Responsável por 4% da população, a Baixada Santista detém 2,8% do total de empregos formais do Estado.

A queda foi de 0,2%, contra uma alta de 1,3% no primeiro trimestre deste ano.

Os dados tomam como base o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

 

Baixada Santista perdeu empregos e participação no ranking econômico do Estado, conforme levantamentos da Fundação Seade e Ciesp/Fiesp. Divulgação/ Agência Brasil

Variações do emprego formal

Dos 5 setores pesquisados, em apenas 1 houve crescimento neste período.

Trata-se da área da construção civil, que aumentou 6,1% na comparação entre o 2º e 1º trimestres deste ano.

No entanto, menos que os 9,7% registrados nos três primeiros meses de 2019 em relação ao último trimestre de 2018.

Assim, a indústria extrativa sentiu a segunda redução seguida neste ano (-0,9% no primeiro trimestre e -0,6% no segundo).

Mesma situação ocorreu na indústria em geral, com queda de -1,3% e -0,6%, respectivamente.

Depois do primeiro trimestre em alta (+ 1,7%) na área de comércio, houve baixa no segundo de -0,1% neste setor.

O mesmo ocorreu no setor de serviços, que havia crescido 0,5% no primeiro trimestre deste ano, mas caiu – 0,8% entre os meses de abril a junho.

As maiores admissões ocorreram para servente de obras (1089 admissões e 636 desligamentos, com saldo de 453 empregos), seguido por encanador (270 admissões e 40 desligamentos, com saldo de 230) e pedreiro (saldo de 166 vagas).

Por sua vez, as maiores quedas ocorrem para operador de telemarketing ativo e receptivo (- 399 vagas), operador de telemarketing receptivo (- 341 vagas), carregador de armazém (-215 vagas) e vendedor de comércio varejista (-122 vagas).

 

Geração de empregos – 2º trimestre – Estado de São Paulo

Região Metropolitana de SP: + 25.282 vagas

Campinas: + 2.537

Ribeirão Preto: + 3.661

Sorocaba: + 1.857

Vale do Paraíba/Litoral Norte: + 613

Araçatuba: + 1.948

Barretos: + 11.440

Bauru: + 2.509

Baixada Santista: – 574

 

Confira detalhes do levantamento no seguinte link.

 

 

Baixada Santista tem perdido participação na economia paulista.

Outros dados negativos

 

Não se trata apenas da única divulgação que coloca a Baixada Santista com números negativos.

Levantamento recente da Fundação Seade que analisou a economia entre 2002/2018, coloca que a região hoje ocupa uma participação no PIB – Produto Interno Bruto inferior ao do início deste século (3,3% em 2002 e 3,2% em 2018).

Enquanto a taxa de crescimento acumulada na indústria no período chegou a 17,3%, na Baixada Santista ficou em 0,7%.

Na área de serviços, o ritmo de crescimento também foi bem menor: 51,3% no Estado contra 29% na região.

Assim, o PIB regional cresceu em ritmo inferior: 43,1% na taxa de crescimento entre 2002/2018 no Estado contra 24,1% na Baixada Santista.

A estrutura econômica da Baixada também sofreu ligeira alteração.

Em 2002, a indústria representava 31,6% da força econômica da Baixada Santista. Agora, 26,9%.

Por sua vez, o setor de serviços cresceu de 68% (2002) para 72,9% (2018).

A agropecuária responde pela diferença (0,2%) e tem baixa representatividade na região.

 

 

Fiesp/Ciesp

Não bastasse, recente levantamento divulgado pela Fiesp/Ciesp mostra que as regiões de Cubatão e Santos ocupam os dois últimos lugares no ranking de participação da regional na indústria paulista.

Ao todo, Cubatão ocupa a 36ª colocação e Santos, na 37ª, a última colocação no Estado.

Em julho, o saldo de vagas em ambas as regiões foi de 10 vagas positivas no setor industrial de Cubatão e de 50 vagas negativas na unidade de Santos.

Leia mais neste link.

 

 

 

LEIA TAMBÉM: