Opiniões

30 DE ABRIL DE 2021

Cagiano, uma poesia moldada de desespero

Por: Adelto Gonçalves

I

Observatório do caos (São Paulo, Editora Patuá), livro de poesias de Ronaldo Cagiano, publicado em 2016, é uma continuação do inventário lírico de uma trajetória literária que, a rigor, começou com Palavra engajada, publicado em 1989, e havia sido rastreada até O sol nas feridas, de 2012, obra já de sua estada de dez anos na cidade de São Paulo, depois de uma trajetória de 28 anos em Brasília.

Em 2016, porém, o autor se aposentou após uma larga carreira como advogado de um banco estatal, transferindo-se para Portugal, depois de algumas experiências pessoais traumáticas nas ruas de São Paulo, em busca de um lugar que oferecesse paz ao cidadão. Talvez por isso este livro já mostre algumas das influências literárias que o poeta sofreu em solo português, o que está mais acentuado ainda nos quatro livros que publicou depois de estabilizado em terras lusas.

Como observa o poeta, ensaísta e crítico literário português Victor Oliveira Mateus no ensaio “Sociedade e ética na poesia de Ronaldo Cagiano”, que abre o livro à guisa de prefácio, esta obra constitui “um olhar meticuloso e arguto não só sobre o homem nas suas mundividências, mas também sobre a sociedade que o cerca e que ao poeta se mostra recorrentemente como um território polimorfo, ardiloso e que, o mais das vezes, ameaça aquilo que no ser humano faz dele algo singular e único neste planeta em que fomos chamados a estar”.

É o próprio Mateus quem traça essas influências, ao perceber que o fazer poético de Cagiano se aproxima desde cedo da obra de Fernando Pessoa e seu heterônimo Álvaro de Campos na maneira como busca se libertar dos paradigmas metafísicos. E se acentua na citação que ele faz de Florbela Espanca no poema “Viagem às vísceras do inacontecido”, que traz também uma referência a um “beijo negado no espalhar das cinzas do futuro no cais tenebroso desse Tejo de tantas ausências”.

Outra presença emblemática da literatura de língua portuguesa é a do moçambicano Mia Couto, com quem o autor estabelece um diálogo direto com seus poemas ou versos, como observa Mateus em seu rico ensaio. No poema “Releitura de um

poema de Mia Couto”, Cagiano diz: (…) Apenas agora / venci a escuridão dos silêncios / a sisudez dos lutos / a ignomínia das lutas, / porque sua energia intocável, / incendiou meus passos. / Sigamos, amada minha, / de peito aberto e alma desnuda / sobre a vida /desnudando a vida.

O poema “Memória” traz também como epígrafe esta frase de Mia Couto: “o tempo, esse animal que defeca memória”. Além disso, em sua preocupação em dialogar com outros autores, Cagiano faz referência a versos do poeta português Gastão Cruz: Estou certo, ainda, / aprés versos de Gastão Cruz / que na tritura / da moe(n)da dos dias / o homem esfarelado / descansará do inútil abismo /de onde / a luta versátil e imponderável / o luto perseverante e indolente / semearam seus ovos / & nos enredaram / em insondáveis caminhos.

Já em “Vão território”, a epígrafe é um verso de outro poeta moçambicano, o jovem Amosse Mucavele: “a voz do rio seca torna-se num eterno guardador de silêncios”. Nessa poesia, diz: (…) Corpo à deriva / tentando entender no ronco das marés / o rude aprendizado / da impalpável mudez da madrugada, / onde esconde-se a enxúndia da morte.

II

A exemplo de O sol das feridas, nesta obra o poeta faz, uma vez mais, de seu ofício um diálogo com o cotidiano, procurando recuperar imagens da infância, como no poema “Trajeto” em que traz à tona as lembranças do pai, que tinha como profissão a de barbeiro numa cidade pequena, a Cataguases dos anos 60: A vida perdida / nos quilômetros de rostos / depurados com perícia / Ele desconhece Dédalus / não sabe como sair de seu labirinto, / Teseu acorrentado / com fígado de Prometeu / Na hora medida do almoço / os mesmos passos contados / o mesmo perfume de Água Velva / legitimando a rotina insossa.

No poema que leva o título “O barbeiro” faz outra homenagem ao pai: De suas hábeis mãos / ele interroga as faces úmidas / no bailar da lâmina / desbasta o jardim de pelos / corrige / as voçorocas da pele. (…) artesanato de mãos / que nunca se fatigam / nem enferrujam: / máquina de vincar rostos / tão despidos de outros / encantos. As lembranças estão ainda no poema “Resquícios” em que diz: Do pai / restou o olhar migrante / perdido no vazio da casa / entre silêncios e vertigens / De carências e não-

diálogos / fez-se o gesto-lâmina / que guardo junto com / a navalha espanhola, / única herança de estranho afeto.

São poemas em que o poeta não disfarça que procura seguir também os passos de outros grandes poetas brasileiros, como Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade, o que fica claro em “Poema em linha torta” em que diz: Ainda tenho medo / do chapéu de meu avô / (mas eu nunca tive avô) / de suas orelhas de abano / e seu silêncio antigo como o tempo / (feito o silêncio de seu filho). Um poema que é dedicado ao poeta uruguaio Leonardo Garet, autor de O livro dos suicidas (Editora Letra Selvagem, Taubaté, 2019), cujo texto de apresentação na edição brasileira foi Cagiano quem escreveu.

Outro tema que permanece nos poemas de Observatório do caos é a (má) relação do poeta com a religião – ou a ausência desta em sua vida, substituída pelo culto à literatura e aos seus nomes universais. Feita e moldada de desespero, sua poesia questiona sempre o sentido da vida para concluir que “todas as manhãs / o sol traz um novo luto, versos que encerram o poema “Abismos”.

É o que se constata também em “…onde estava Ele” que começa com a repetição de versos que já estavam no poema “Ad nauseam” de O sol nas feridas: … quando Hitler avançou / com seus coturnos, seus chuveiros letais / seus campos de concentração / sobre toda a humanidade? Depois, o poeta enumera uma série de desastres e monstruosidades ocorridas no Brasil e no mundo e pergunta: (…) Onde está Deus? / cujo poder não exercita? cuja vontade não realiza? Cujas bênçãos nunca vêm? / Onde está Deus / que não faz nada? Perguntas que, hoje, muitos ateístas e mesmo muitos crentes repetem diante das perdas diárias de numerosas vidas ceifadas pela pandemia do coronavírus (covid-19).

III

Nascido em 1961 na mítica cidade de Cataguases, no interior de Minas Gerais, Ronaldo Cagiano é escritor, ensaísta e crítico literário. Embora vivendo há cinco anos em Portugal, mantém a ligação com a terra brasílica, publicando em diversos jornais e revistas do País e do exterior, dentre os quais Hoje em Dia, de Belo Horizonte, Jornal de Brasília, Jornal Opção, de Goiânia, Correio Braziliense, O Estado de S. Paulo e Revista Cult, de São Paulo.

Estreou-se com o livro de poesias Palavra engajada (1989). Desde então, publicou Colheita amarga & outras angústias (poesias, São Paulo, 1990), Exílio (poesia,

São Paulo, 1990), Palavracesa (poesia, Brasília, 1994), O prazer da leitura, em parceria com Jacinto Guerra (contos juvenis, Editora Thesaurus, Brasília, 1997), Prismas – literatura e outros temas (crítica literária, Editora Thesaurus, Brasília, 1997), Canção dentro da noite (poesia, Editora Thesaurus, Brasília, 1999), Espelho, espelho meu, em parceria com Joilson Portocalvo (infanto-juvenil, Brasília, 2000), Dezembro indigesto (contos, Brasília, 2001), primeiro lugar no concurso Bolsa Brasília de Produção Literária de 2001, Concerto para arranha-céus (contos, LGE Editora, Brasília, 2005), Dicionário de pequenas solidões (contos, Língua Geral, Rio de Janeiro, 2006), Moenda de silêncios (novela em parceria com Whisner Fraga, Dobra Ideias, São Paulo, 2012), O sol nas feridas (poesia, Editora Dobra, São Paulo, 2012), finalista do Prêmio Portugal Telecom de 2013, e Eles não moram mais aqui (contos, Editora Patuá, São Paulo, 2016; Editora Gato Bravo, Lisboa, 2018), terceiro lugar no Prêmio Jabuti de 2016.

Depois de Observatório do caos, publicou ainda Diolindas, em parceria com Eltânia André (novela, Editora Penalux, São Paulo, 2017), Os rios de mim (poesia, Editora Urutau, Pontevedra, Espanha, 2018), O mundo sem explicação (poesia, Editora Coisas de Ler, Lisboa, 2019), e Cartografia do abismo (poesia, Editora Laranja Original, São Paulo, 2020). Organizou as coletâneas Antologia do conto brasiliense (Projecto Editorial, Brasília, 2001), Poetas mineiros em Brasília (Varanda Edições, Brasília, 2001) e Todas as gerações – O conto brasiliense contemporâneo (LGE Editora, Brasília, 2006).

_____________________________

Observatório do caos, de Ronaldo Cagiano. São Paulo, Editora Patuá, 180 págs., R$ 38,00, 2016. E-mail: editorapatua@gmail.com Site: www.editorapatua.com.br

_______________________________

(*) Adelto Gonçalves, jornalista, é mestre em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana e doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; Publisher Brasil, 2002), Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Editorial Caminho, 2003), Tomás Antônio Gonzaga (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo (Imesp)/Academia Brasileira de Letras, 2012), Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonial (Imesp, 2015), Os Vira-latas da Madrugada (José Olympio Editora, 1981; Letra Selvagem, 2015) e O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo 1788-1797 (Imesp, 2019), entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.