Cuidado com sua postura em redes sociais | Boqnews

Opiniões

07 DE MARÇO DE 2017

Cuidado com sua postura em redes sociais

Por: Simoni Aquino

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

além do Rh simoni aquinoHoje com a facilidade de acesso e conexão à internet, bem como agilidade na disseminação das informações, encontrar empresas, profissionais e vagas de trabalho tornou-se muito mais fácil. A internet e as redes profissionais abriram portas a inúmeras ferramentas de aproximação e de possibilidades de contato e quem está em busca de recolocação passou a ter acesso mais facilitado ao mercado de trabalho.

Em contrapartida, as empresas também passaram a ter acesso facilitado aos profissionais que estão na vitrine das redes sociais como o Facebook e a redes sociais com foco profissional como o relevante LinkedIn. Portanto os profissionais estão mais sujeitos à exposição e à avaliação das empresas, gestores e lideranças corporativas, profissionais de RH, headhunters, empresas de recrutamento e dos profissionais concorrentes no mercado de trabalho.

Em redes sociais é muito natural que as pessoas se sintam à vontade e emitam opiniões e posicionamentos e escrevam o que lhes vem à mente, entretanto a distância entre o mundo real e o virtual tornou-se mínima ou quase inexistente. Diante deste cenário, devemos ter atenção ao usar essas redes já que o que se “tecla” fica registrado, é disseminado e fica sujeito às análises, avaliações e julgamentos dos leitores.

Se for negativo ou desrespeitoso, a imagem será negativa e de alguém arrogante que chamará a atenção como alguém desrespeitoso, os famigerados “trolls”, que objetivam depreciar pessoas, desestabilizar debates e provocar os demais participantes, em contrapartida se o posicionamento for positivo sua imagem será igualmente positiva e chamará a atenção para seu perfil.

Os profissionais não devem perder a naturalidade e sua essência, mas o mesmo cuidado que temos ao nos posicionar no mundo real deve ser utilizado no mundo virtual, portanto segue algumas dicas de comportamento em redes sociais e profissionais:

Perfil: Cuidado com sua foto, não use fotos de baladas ou com copos de bebidas ou cigarro na mão. Na descrição de seu perfil, cuidado com a gramática e com erros de digitação. Leve em consideração que seu perfil é o que chama atenção para você, no LinkedIn é seu cartão de visitas e de sua bagagem profissional. Assim como deve tomar cuidado com seu conteúdo, deve tomar cuidado com sua embalagem!

Interação: Procure interagir com sua rede de conexões e nos grupos de debate ou nos grupos de emprego, demonstre que tem algo de interessante a dizer e a mostrar. Promova cordialidade e consistência e não fique reclamando dos profissionais de RH e de empresas, pois isso fecha portas. Também não fique reclamando das exigências de vagas divulgadas, afinal de contas o que não serve para você pode servir para outro profissional e vá em busca de oportunidades que tenham o perfil de sua carreira.

Relevância: Cuidado com o conteúdo, seja relevante contribuindo de forma positiva para agregar valores e posicionamentos. Se não puder falar bem de alguém ou de algo, evite falar mal se não tiver embasamento ou provas.

Língua Portuguesa: Nada mais lamentável do que observar profissionais que escrevem errado e não tomam cuidado com a escrita. É possível identificar claramente quando o erro está na digitação e quando o profissional escreve errado mesmo. Uma coisa é certa: Profissional que escreve mal e apresentando erros grosseiros de português, dificilmente se recolocará.

Convites de conexão: No LinkedIn existe a possibilidade de convidar pessoas para serem nossas conexões, mas muitos não sabem usar essa ferramenta de forma adequada.  Enviam os convites pré-formatados do LinkedIn, sem ao menos personalizá-lo e explicar por quê do interesse no envio daquele convite. Relevância e justificativa no convite significa atenção e respeito ao convidado, normalmente esses convites são excluídos pois o convidado desconhece o objetivo daquele convite. E no Facebook que é uma rede social, não adianta pedir solicitação de amizade a desconhecidos ou profissionais de RH, isso definitivamente não vai favorecê-lo a ser convidado para entrevistas.

Ajuda em grupos: Quando solicitar ajuda e a outra pessoa ajudar ou emitir alguma opinião acerca do assunto abordado, por mais que não gostemos da resposta o mínimo que se espera é um agradecimento. Esse gesto faz parte da boa educação e demonstra que temos respeito à atenção que nos foi dispensada.

Participação em grupos: Seja flexível e procure desenvolver senso de avaliação e reflexão e não promova generalizações, pois ao generalizar situações você demonstra falta de flexibilidade e jogo de cintura. Tome cuidado com os preconceitos e com os estereótipos ao promover debates e emitir opiniões que fale ou julgue o profissionalismo, a religião, ração, orientação sexual, idade e condição do profissional no mercado de trabalho. Nada mais negativo e preconceituoso do que falar mal de quem está desempregado ou colocar em xeque os profissionais que não conhece. De quê adianta participar de grupos de redes sociais e profissionais para ficar reclamando e disseminando ódio ao mercado de trabalho? Vai mudar a sua condição? Não, ao contrário só vai potencializar tal condição, afinal o tempo que se perde em reclamar deve ser investido em pesquisas e em busca por recolocação. Fazer análises é saudável e contribui positivamente para os debates, mas o problema são as reclamações constantes as afirmações infundadas e sem provas.

Educação: O mínimo que se espera de um profissional esteja ele desempregado ou não, é que se tenha educação, portanto cuidado com agressões verbais, julgamentos e palavras de baixo calão.

QI e Networking: No LinkedIn não se justifica reclamar da utilização e da influência dos QI´s no mercado de trabalho, pois a presença de profissionais nesse tipo de rede social é justamente estabelecer relações com objetivos profissionais e desenvolver o networking, vulgarmente chamado de QI. Todos os profissionais um dia lançarão mão de seu QI ou networking para se recolocar, então as reclamações não se justificam.

Respeito às opiniões: O mundo é diversificado e as pessoas caracterizam-se pela diversidade de cultura, credo, raça, localidade, educação (de berço), formação acadêmica, intelecto, nível hierárquico, profissões… Enfim, lidamos todos os dias com todos os tipos de pessoas, portanto nada mais natural do que as divergências de opiniões, portanto cuidado ao divergir, afinal de contas todos temos direito às opiniões, mas também temos a obrigação de respeitar às dos outros.

Críticas: As críticas são saudáveis e contribuem para crescimento e amadurecimento, mas promova críticas fundamentas e embasadas para que haja reflexões. Criticar por criticar, promovendo críticas vazias e inconsistentes, prejudica a imagem de quem as promove, pois contribui para um debate vazio, preconceituoso e com generalizações.Seja empático e coloque-se no lugar do outro.

Reclamações: Evite exposição com reclamações, evite ficar conhecido no mercado de trabalho como alguém reclamão: que reclama da vida, do mercado de trabalho, dos RH´s, da empresa, da sorte, da vida e do destino. Nada pior do que presenciar debates onde todos reclamam mas pouco contribuem ou nada fazem para melhor sua condição. Lembre-se que empresas buscam pessoas positivas que irão agregar e trazer soluções e ignoram profissionais que não contribuem para um  ambiente saudável.
Caro leitor, quer uma dica?

Jamais se esqueça de preservar sua imagem pessoal e profissional.

Lembre-se que as empresas averiguam as redes sociais e profissionais como etapa do processo seletivo e tem o direito soberano de reprová-lo se seu comportamento não for avaliado como positivo e agregador.

Simples assim.
Bom, por hoje é só.

Abraço, sucesso e nos encontramos na próxima quinzena!

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.