Insônia | Boqnews
Foto: Agência Brasil/Fabio Rodrigues Pozzebom Urna Eletrônica

Opiniões

11 DE MARÇO DE 2022

Insônia

Por: Jairo Sergio de Abreu

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

As próximas três semanas serão decisivas para definir o jogo de xadrez que se desenha e tem deixado vários políticos sem dormir.

Contra o tempo

Afinal, a janela partidária fecha no dia 1º de abril, data limite quando candidatos aos cargos em disputa nas eleições de outubro poderão mudar de partido – ou quando isso ocorrer em razão de fusão de legendas, como o caso do União Brasil (DEM e PSL). Assim, pesquisas afloram neste momento para saber quais rumos deverão ser definidos.

De volta ao lar

Alberto Mourão

Por exemplo, entre os pré-candidatos a deputado federal, alguns já mudaram de casa e outros estão em busca de um novo endereço. O ex-prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão, por exemplo, já deixou o PSDB, trazendo a tiracolo seu genro, o ex-coordenador regional do partido, Cássio Navarro, e retornou ao MDB, onde concorreu quando foi eleito deputado em 1998.

Dilema

Outros dois pré-candidatos ainda não definiram quais rumos seguirão. Apesar de ter influenciado diretamente na escolha do novo diretório municipal do PSB, a deputada Rosana Valle não deve ficar na legenda, a medida que o partido apoiará o ex-presidente Lula, em uma chapa Lula-Alckmin, neo socialista. Apesar de nada acertado, o PL, do presidente Jair Bolsonaro, já foi sondado pela parlamentar.

Fica no ninho?

Outro que vive dilema pré-eleitoral é o ex-prefeito Paulo Alexandre Barbosa, que conversa com vários partidos para decidir se sairá – ou não – do PSDB, fato, aliás, que irá impactar também o futuro político do prefeito Rogério Santos, seu afilhado político.

Contatos externos

Barbosa já recebeu sondagens de partidos como PSD, Republicanos e MDB, por exemplo. Se ficar no PSDB, pode ganhar prestígio junto ao vice Rodrigo Garcia, futuro candidato tucano no Estado. Aliás, com quem tem maior afinidade. Além disso, se distanciaria de Alckmin, de quem foi secretário de Estado e seu padrinho político, e, indiretamente, da candidatura do ex-presidente Lula.

Quer distância

Afinal, Barbosa sabe que não pode associar seu nome ao PT, o que pode ‘azedar’ suas pretensões na Cidade onde governou por oito anos – e também na Baixada Santista – onde espera ser o mais votado em âmbito regional.

Ex-prefeitos unidos

Uma das principais lideranças do PSDB em Santos, o vereador Cacá Teixeira torce para que o PSDB lance candidatos a deputado federal e estadual, algo que não ocorreria desde 2014, quando concorreram João Paulo Papa (federal) e Sadao Nakai (estadual). Com uma dobrada entre os ex-prefeitos Paulo Alexandre Barbosa (federal) e João Paulo Papa (estadual). A conferir.

Bola de cristal

Aliás, observadores políticos são claros em afirmar: os resultados das urnas e a respectiva votação na Cidade serão preponderantes para definir os rumos eleitorais para as eleições municipais de 2024.

Sem alarde

Desde o final de fevereiro, a UPA Central passou a ser gerenciada por um nova Organização Social. Saiu a Fundação do ABC e entrou a InSaúde, cuja proposta é de ‘melhoria de processos e fluxos, especialmente na assistência segura, humanizada e de qualidade”.

Quem responde?

Será…
que o Podemos, partido do ex-juiz Sergio Moro, vai lançar candidatura ao governo paulista?

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.