ETC
Sociedade

Youtubers portugueses na mira da Justiça

Não é a primeira vez que algo do gênero acontece. Em 2019 alguns youtubers de Portugal foram investigados por anunciar casas de apostas ilegais, mas não houve consequências.

13 de abril de 2021 - 16:36

Da Assessoria

Compartilhe

Em Portugal circula, desde março, uma petição online que pede a investigação dos negócios milionários de vários youtubers.

Nesse documento, os autores pedem que a Justiça investigue os “esquemas e pseudo-negócios” praticados pelos influenciadores.

Carros, viagens, roupas e jóias de luxo.

Era esse o estilo de vida, o mesmo de um milionário, que os youtubers DavidGYT, Numeiro, Windoh, Claudio André, Fx_Papi, Joaofox92, Jamestradingjar, Consultor.academy, Ferp e Beatriz Botas levavam nas redes sociais.

De acordo com eles, tudo graças ao sucesso em Trading, tanto de forex como de criptomoedas.

Agora estão sendo o foco dos mídia e da justiça, tudo porque o hacker RedLive13 e também o youtuber Hugo Medeiros, revelaram em alguns vídeos alegadas burlas praticadas por esses conhecidos youtubers portugueses e denunciaram supostos fraudes em cursos de forex, criptomoedas e sala de sinais.

“Estes burlões [trapaceiros no português luso] promovem a perda de dinheiro a pessoas e principalmente a jovens menores de idade dado a ser o seu público alvo e também de descultivar a literacia financeira dos jovens que ficam com receio de no futuro caírem em esquemas como os exibidos por estes burlões”, diz um trecho da petição.

Sabe-se também que os esquemas envolviam corretoras forex que não estavam legalizadas em Portugal e que muitas vezes nem verificavam a idade dos usuários, o que leva a querer que algumas vítimas serão menores de idade.

 

Youtubers portugueses são alvo de investigações por se envolver com criptomoedas. Foto: Divulgação

Criptomoedas

O Windoh – que foi considerado, pela Forbes Magazine, como o segundo youtuber mais influente de Portugal em 2020, tendo até trabalhado em publicidade com a MEO (Altice/Telecom de Portugal) – tem sido o centro das atenções pois recebeu uma visita das autoridades portuguesas por ter criado uma suposta escola de Forex – a Blvck Netowrk – que vendia cursos de criptomoedas por cerca de R$ 2800.

O site da Blvck Network descreve esses cursos como os melhores no mercado para negociar criptomoedas e que os usuários podem contar com o apoio de “uma equipe com vários anos de experiência na negociação de mercados de criptoativos e ações”.

Segundo o Jornal de Notícias, por exemplo, essas aulas sobre criptomoedas foram pirateadas e expostas pelo RedLive13, que o acusou de fraude em um vídeo no Youtube.

Mais tarde, em vídeo, Windoh negou as acusações.

Fazendo referência ao facto de ter já estado em contacto com a Polícia Federal para esclarecer todos os factos e pediu ao povo que, não julgassem os acontecimentos através dos rumores, mas sim dos factos.

Ao mesmo tempo, o facto é que o site da Blvck Network deixou de existir e a equipe do Windoh prometer que iria devolver os valores a todos os que compraram seus cursos.

 

Antiga

Não é a primeira vez que algo do gênero acontece.

Em 2019 alguns youtubers de Portugal foram investigados por anunciar casas de apostas ilegais, mas não houve consequências dessa vez.

A Justiça Federal de Portugal diz que, na eventualidade de crime, é difícil de provar ele pois marketing de afiliados é um negócio legal e comum entre influenciadores digitais e que compete a eles e às empresas de afiliados saber se o público é adequado ou não.

De momento, a investigação decorre e para surpresa do povo RedLive13 – o responsável pelas denúncias – também está sendo investigado por crimes informáticos, correndo o risco de ter consequências para ele também.

Dado todo o mediatismo tanto nos mídia como nas redes sociais – foi tema do Twitter em Portugal durante dias – desta polémica, é garantido que durante nos próximos tempos ainda irá surgir mais informação sobre o desenrolar da investigação e possivelmente das consequências que terá.

LEIA TAMBÉM: