Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Meio Ambiente

16 DE NOVEMBRO DE 2015

Após desastre, novo Código de Mineração ressurge no Congresso

A discussão do projeto de lei que cria o novo Código de Mineração, em tramitação na Câmara desde 2013, ressurgiu no Congresso

Por: Mariana Haubert
Folhapress

marianabarragensA discussão do projeto de lei que cria o novo Código de Mineração, em tramitação na Câmara desde 2013, ressurgiu no Congresso com a tragédia provocada pelo rompimento de duas barragens da mineradora Samarco na cidade de Mariana (MG).

O relator da matéria, Leonardo Quintão (PMDB-MG), critica a decisão do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de criar no início deste ano uma comissão especial para analisar a proposta, mesmo depois de o texto já ter tramitado em comissões especiais desde 2013.

“Eu pedi para ele [Cunha] não criar essa comissão porque não se tem mais nada para debater. Ele me disse que os novos parlamentares querem participar e querem rediscutir nessa nova comissão. Eu acho um erro. Temos que votar. Estou chateado com isso”, disse Quintão à reportagem.

“Lanço um desafio. Coloque para votar e eu estarei lá para defender o projeto”, disse. Apesar da pressão, o deputado disse que ainda não fez tal pedido diretamente a Cunha.

No ano passado, Quintão rejeitou a inclusão de uma emenda que obriga as empresas de mineração a contratar um seguro ambiental para projetos com potencial elevado de contaminação da água ou do solo por resíduos tóxicos.

No entanto, diante da tragédia, o deputado disse que passou a considerar colocar na proposta a obrigatoriedade de se contratar um seguro ainda mais amplo, contra danos ambientais, sociais e materiais.

O relator também deverá alterar seu parecer para obrigar as empresas a tratarem adequadamente os rejeitos oriundos da exploração mineral.
Financiado por mineradoras nas últimas eleições, Quintão negou que tenha atuado em favor de empresas do setor e disse desconhecer qualquer lobby pela não votação da proposta.
“Legalmente eu recebi doações porque a mineração está no nome do nosso estado. Dizer isso é um desrespeito e uma demagogia”, disse.

“Não há um artigo no projeto em que eu estou beneficiando empresa A ou B. Pelo contrário. Eu sou relator e coloquei sobre o minério de ferro quatro vezes mais a cobrança de royalties de compensações que as empresas têm que pagar”, explicou. “Eu não compactuo com lobby dentro do Congresso para não se votar esse projeto”, completou.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.