Crise econômica

Oposição diz que rebaixamento já era esperado e culpa governo

Nesta quinta-feira (13), a nota de crédito do Brasil caiu e o rating foi colocado sob perspectiva negativa

15 de outubro de 2015 - 16:30

DÉBORA ÁLVARES e MARIANA HAUBERT

Folhapress

Compartilhe

Líderes de oposição atribuíram ao governo o rebaixamento pela agência de risco Fitch do grau de investimento. Nesta quinta-feira (13), a nota de crédito do Brasil caiu e o rating foi colocado sob perspectiva negativa, embora o país ainda mantenha o selo de bom pagador.

A nota foi cortada de “BBB” para “BBB-“, o último degrau antes do nível especulativo. Ao justificar o rebaixamento, a Fitch justifica que ele reflete o maior endividamento do governo, o aumento dos desafios para a consolidação fiscal e a piora da perspectiva de crescimento econômico.
Para o presidente do DEM, senador José Agripino (RN), o país está “a um passo da perda do grau de investimento”. “Se isso acontecer, o país não aguentará a fuga de capitais”.

Ele avalia que o rebaixamento reflete a política econômica praticada pelo governo. O líder do partido no Senado, Ronaldo Caiado (GO), diz que “o governo não consegue atrair a confiança dos investidores”. “O único caminho que poder reverter isso seria a mudança de comando do país, uma mudança de atitude”, defende o democrata.

Segundo ele, o que ocorre no governo é uma estratégia de “poder pelo poder” que reflete em cenário de descrédito. Também do DEM, o líder na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), o resultado da Fitch já era “previsível” desde que a Standard & Poor’s cortou a nota do país para grau especulativo.
“A agenda de relacionamento do governo com o Congresso é baseada em fisiologismo, na busca da manutenção da governabilidade com troca de cargos. É um governo que não tem controle e condições políticas agrava mais a situação”, afirmou. Avaliação semelhante foi feita pelo líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR). “Dilma não tem autoridade para falar da oposição em nada. É responsabilidade dela a situação fiscal do país”.

LEIA TAMBÉM: