nacional

Pesquisa aponta que 42% das gestantes de seis capitais têm DST

Brasília – Uma pesquisa do Programa Nacional de DST/Aids realizada em seis capitais brasileiras e divulgada hoje (15) revela que…

16 de setembro de 2008 - 07:00

Da Redação

Compartilhe

Brasília – Uma pesquisa do Programa Nacional de DST/Aids realizada em seis capitais brasileiras e divulgada hoje (15) revela que 42% das gestantes têm alguma doença sexualmente transmissível. Esse foi o primeiro grande estudo quantitativo sobre doenças sexualmente transmissíveis no país. Os dados  refletem  apenas a realidade das cidades pesquisadas: Manaus (AM), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS).


“A pesquisa vem ao encontro do que já esperávamos: as DST existem, mas não se quantificavam. E o que mais chama atenção é a prevalência de sífilis em 2,6% dos casos, e em 9,4%, de clamídia [doença infecto-contagiosa dos órgãos genitais masculinos ou femininos. Caracteriza-se pela presença (pode não ocorrer) de secreção (corrimento) uretral escassa, translúcida e geralmente matinal]. Principalmente porque a sífilis pode trazer complicações sérias, inclusive com morte do feto ou parto prematuro”, diz o responsável pela Unidade DST do Programa Nacional de DST/aids,  Valdir Pinto.


Do contingente de 42% de gestantes com DST, cerca de 11% tinham infecções bacterianas, que podem ser tratadas com facilidade, de acordo com a pesquisa. Outras 37% apresentaram infecções virais – aids (HIV) ou HPV. Ambas não têm cura, mas podem ser tratadas e, se a paciente não apresentar verrugas ou lesões genitais, o HPV não traz riscos à saúde dos bebês.


Além de clamídia e sífilis, a gonorréia apareceu em 1,5% dos casos. Foi constatado ainda que 10% das gestantes estudadas apresentaram infecções simultâneas das doenças.


O estudo foi realizado entre gestantes, homens empregados em pequenas indústrias – público escolhido porque a legislação obriga empresas com mais de 100 funcionários a terem médico do trabalho – e pessoas que procuraram serviços de saúde especializados em doenças sexualmente transmissíveis. Essas últimas constituem o público considerado como mais vulnerável pelas autoridades sanitárias.


“Nós queríamos essa população para saber como se comportam esses homens que não têm médico no trabalho. E o importante é que 5,2% deles tinham DST, quase 18% tiveram entre duas e quatro parceiras no ano anterior e 7,2% tiveram entre cinco e 10 parcerias sexuais. Isso tudo é o que torna ele mais vulnerável a transmitir e adquirir uma DST”, afirma.


No total, foram feitos mais de 9 mil pessoas foram submetidas a exames de sífilis,  gonorréia, clamídia, HIV, hepatite B e HPV. As gestantes e homens que trabalham em pequenas indústrias serviram, segundo os responsáveis pela pesquisa, como referência de amostragem para refletir a população das cidades analisadas.



 

LEIA TAMBÉM: