Saúde animal

Protetor solar diminui risco de câncer de pele em cães e gatos

No verão, o uso de protetor solar em animais albinos é essencial para quando o animal for ficar exposto ao sol

29 de janeiro de 2016 - 10:10

Da Redação

Compartilhe

cachorro passeandoO verão está a todo vapor e, com as altas temperaturas, é preciso ter atenção redobrada com os animais de estimação. Atividades simples, como passear e brincar ao ar livre, podem se tornar tarefas cansativas e até favorecer o surgimento de doenças e pragas, comuns à essa época do ano.

Para a médica veterinária e farmacêutica da DrogaVET, Mariana Mauger, um dos males que mais preocupa os profissionais é o câncer de pele em cães e gatos. “Muitos donos não sabem, mas os animais também podem ter a doença e a maneira mais fácil de preveni-la é com o uso do protetor solar especial para animais”, comenta a veterinária.

“Animais albinos, de pelos brancos e raças com pelagem maior, como Maltez, Angorá Turco e gatos Peterbald, estão mais propensos a desenvolver o câncer de pele, se não forem protegidos antes de passear ou brincar ao ar livre”, ressalta Mariana.

A profissional também destaca que todos os pets podem e devem usar o protetor solar e o dono deve passar, principalmente, nas orelhas, focinhos, na linha que divide a pelagem (coluna) e todos os lugares sem pelo.

Mas não adianta passar o protetor e sair para passear em horários que o sol está quente. “O ideal é caminhar nos horários certos, ou seja, até às 10 horas e após às 16 horas, assim o animal não sente tanto os efeitos do calor. Outra recomendação é preferir brincar na grama, ao invés do asfalto, para evitar que os bichinhos tenham queimaduras nas patas”, recomenda.

Além disso, o animal deve estar sempre hidratado. Portanto, é fundamental que a água do potinho seja filtrada, esteja sempre fresca e em local que não bata Sol. “Uma outra orientação é deixar alguns recipientes com água espalhados pela casa: quintal, garagem e demais espaços que o pet tem acesso, já que em dias de muito calor, o bichinho fica mais preguiçoso e acaba não se locomovendo muito, mesmo se estiver com sede. Também é importante acomodar o recipiente à sombra e realizar a troca da água, pelo menos, duas vezes ao dia”, orienta Mariana Mauger.

Além disso, a profissional recomenda manter um ambiente arejado e limpo, aumentar a frequência do banho, tosar os pelos e trocar a caminha de cobertor por apenas um lençol leve ou uma casinha de madeira.

LEIA TAMBÉM: