Em um mês, internações em UTIs por Covid sobem 280% no Estado de São Paulo | Boqnews

Nova onda

24 DE NOVEMBRO DE 2022

Em um mês, internações em UTIs por Covid sobem 280% no Estado de São Paulo

Na Baixada Santista, média móvel de internações em UTIs pela doença é a segunda maior do estado de São Paulo, apenas atrás de Campinas.

Por: Fernando De Maria

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

O aumento significativo de casos de Covid-19 no País e no Estado de São Paulo já se reflete também no volume de internações de pacientes.

Atualmente, 43,4% dos leitos no Estado de São Paulo estão ocupados nas UTIs e 41,6% em enfermaria.

Por sua vez, na região metropolitana de São Paulo, o cenário começa a preocupar.

Afinal, 62,5% dos leitos de enfermaria estão ocupados e 59,9% de UTIs.

E os números crescem a cada dia.

O cenário de mortalidade está distante dos tempos mais mais difíceis da pandemia, mas serve de alerta para a situação, que tende se agravar.

O Hcor, de São Paulo, divulgou que hoje  (24) 40 pacientes estão hospitalizados em razão da doença.

Quatro deles (10%) em leitos de UTIs. (veja quadro abaixo).

Na quarta (23), a média móvel dos últimos sete dias apontou que a taxa de conversão de internações dos atendimentos do Pronto-Socorro de pessoas com Covid-19 confirmada era de 15%.

No mesmo período, o Hcor registrou um aumento de 43,6% da média móvel de hospitalizações de pacientes positivados.

Na avaliação de 14 dias, a variação foi de +150%.

Em Santos, no litoral paulista, no dia de reabertura no atendimento para testes Covid-19 na Portuguesa Santista, um em cada 3 resultaram positivo.

Mesmo em dia de jogo da seleção, o local esteve lotado hoje até o início da tarde.

Mais casos

A situação não é exclusiva do Hcor.

Conforme levantamento do Boqnews junto ao portal Coronavíus, disponível no site da Fundação Seade, é expressivo o crescimento do volume de internações no Estado de São Paulo.

Com base nos dados mais recentes, desta quarta (23), o total de internações registradas no dia anterior em hospitais do estado em razão de complicações da Covid-19 chegou a 539 – 486% superior em comparação ao resultado de um mês atrás (92).

Na comparação com a semana passada (dia 16), a elevação é de 53,5% (351 novas internações).

A Baixada Santista segue a mesma tendência.

Há um mês (dia 23 de outubro) havia apenas 1 nova internação registrada, conforme o portal paulista.

E cinco no último dia 16 de novembro.

Na última quarta (23), foram 26.

Alta de 62,5% em uma semana.

UTIs

Engana-se, no entanto, que a nova onda não traz gravidades.

Pode não ocasionar em mortes nos mesmos patamares dos períodos mais críticos da pandemia, com pico de 6.246 falecimentos em uma semana – graças às vacinas, aliás – mas bem distante do ideal.

Dados do Ministério da Saúde mostram que a atual média móvel de mortes no País chega a 421 – 58,3% a mais que na semana anterior (266).

O Brasil já registrou 689.341 mortes pela doença.

Atualmente, 963 pessoas estão internadas em UTIs no Estado de São Paulo em razão da Covid – número 41,2% superior ao da semana passada (682) e 280% maior que há um mês (253).

A situação não difere na Baixada Santista.

Até quarta (23), eram 29 pacientes internados em unidades de terapia intensiva na região – quase o dobro em relação à semana passada (15).

E o triplo na comparação com um mês atrás (10).

Aliás, a taxa de crescimento é cristalina na comparação com a média móvel semanal de internados em UTIs no Estado.

Subiu de 258 em 23 de outubro para 847,29 na última quarta-feira.

A Baixada Santista registra média móvel semanal de 21,71.

Na semana passada era de 12.

Aliás, a região está em segundo lugar no estado em número de internados em UTIs pela doença.

Só perde da região de Campinas, com média móvel semanal de 56,43 pacientes internados em UTIs.

A região de Sorocaba surge em terceiro, com média de 10,71 – a metade em relação à Baixada Santista.

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.