Campanha visa aumentar doação de órgãos e tecidos | Boqnews
Foto: Divulgação

Setembro Verde

16 DE SETEMBRO DE 2015

Campanha visa aumentar doação de órgãos e tecidos

Um dos principais problemas do baixo número de transplantes é a resistência dos familiares

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}
O Setembro Verde também luta por leis que acolham o transplantado e seus parentes durante essa espera tão dolorosa, além de buscar alcançar todos os direitos, benefícios assistenciais financeiros e previdenciários que os portadores de deficiência física possuem

O Setembro Verde também luta por leis que acolham o transplantado e seus parentes durante essa espera tão dolorosa, além de buscar alcançar todos os direitos, benefícios assistenciais financeiros e previdenciários que os portadores de deficiência física possuem

Dia 27 de setembro é comemorado o Dia Nacional do Doador de Órgãos e Tecidos. Para conscientizar a população da importância das doações e o quanto esse ato pode salvar vidas, foi criado o projeto Setembro Verde. O idealizador é o renomado e conceituado médico Doutor Lima, especialista em cirurgia cardiovascular, em transplante de coração e Coordenador da Comissão de Remoção de Órgãos da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). 

O projeto, que hoje já atende 11 municípios de São Paulo, além dos estados de Rio Grande do Sul, Ceará, Amazonas, Minas Gerais, Paraná, Sergipe, Acre, Rio de Janeiro e Goiás, tem como intuito levar informação sobre o que é o transplante de órgãos e qual orientação deve-se buscar sobre o assunto.

O Setembro Verde também luta por leis que acolham o transplantado e seus parentes durante essa espera tão dolorosa, além de buscar alcançar todos os direitos, benefícios assistenciais financeiros e previdenciários que os portadores de deficiência física possuem. Além disso, atua na assistência social dando palestras gratuitas sobre o assunto e a prevenção de doenças cardiovasculares.

No primeiro semestre deste ano, a ABTO divulgou um balanço que constatou diminuição no número de transplantes de órgãos no Brasil. Pela primeira vez em oito anos, houve uma queda de quase 20% na taxa de potenciais doadores, doadores efetivos e no número de transplantes de rim, fígado, pâncreas e córneas, em relação ao ano passado. 

Segundo o Doutor Lima, um dos principais inimigos do baixo número de transplantes de órgãos é a recusa familiar. “Ela pode estar ligada a falta de informação, religião ou a outros dogmas. Vejo que o Brasil ainda é muito carente de campanhas que falem sobre a doação de órgãos. A informação é algo fundamental para esse assunto. Campanhas deveriam ser elaboradas o ano todo”, explica.

O Brasil possui mais de 55 mil pessoas na fila de espera por um órgão sólido e realiza 23.500 transplantes por ano. O país tem o segundo maior programa de transplantes do mundo, com 95% das cirurgias de transplantes acontecem em hospitais da rede pública do Sistema Único de Saúde (SUS), perdendo apenas para os Estados Unidos.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.