vida

Cirurgia reparadora

A cirurgia no nariz, também chamada de rinoplastia, está entre as mais aplicadas e apresenta constantes avanços tecnológicos, com resultados…

21 de maio de 2010 - 20:38

Da Redação

Compartilhe

A cirurgia no nariz, também chamada de rinoplastia, está entre as mais aplicadas e apresenta constantes avanços tecnológicos, com resultados cada vez mais satisfatórios.


Muitas personalidades como as atrizes Nicole Kidman e Megan Fox, por exemplo, passaram por este procedimento. Mas a cirurgia não é apenas realizada com a finalidade de buscar uma melhor aparência, mas também por questões de saúde, corrigindo anomalias funcionais, como o desvio de septo, que pode causar problemas na respiração.


Segundo o Centro de Estudos Avançados de Rinoplastia, a cirurgia pode ser realizada com pessoas a partir dos 15 anos, quando o crescimento dos ossos nasais está praticamente definido. Apenas em casos especifpicos que uma criança pode passar por este procedimento. A técnica associa a correção estética com a funcional do nariz, num só tempo cirúrgico.


“Nos dias atuais a  cirurgia plástica no nariz ou em outras partes do corpo não são mais assustadoras, pois  fazem parte da vida das pessoas que se ainda não fizeram uma cirurgia, ao menos conhecem alguém que já passou pelas mãos de um especialista. Os resultados, na maioria das vezes, causam uma grande mudança para saúde ou para autoestima do paciente”, declara Arnaldo Korn, do Centro Nacional de Cirurgia Plástica.


Seja qual for o motivo da procura, o ideal é sempre procurar um médico otorrinolaringologista. Como há um equilíbrio estético entre o nariz e o rosto diferente para cada pessoa, o cirurgião precisa estudar cada caso atenciosamente para que a cirurgia seja realizada da melhor forma, de acordo com as necessidades do paciente.


Como em todo procedimento estético, o objetivo é dar um aspecto natural ao paciente que procura a cirurgia por estética ou por questão de saúde.


Pós-operatório
Normalmente, o processo cirurgico dura em torno de uma a duas horas, com anestesia local e sedação. Após o procedimento, a pessoa deve ficar com um molde de gesso ou de plástico por uma semana e não fica com cicatrizes visíveis. É necessário também que o paciente fique em repouso, de três a cinco dias, dependendo do caso, para a recuperação.


Após este período, o paciente estará liberado para as suas atividades cotidianas, desde que não envolvam a possibilidade de trauma e que não hajam restrições em relação a sair com o curativo. Os pontos são removidos após sete dias e o curativo é renovado. Depois de 15 dias é retirado também o curativo.


O paciente, em alguns casos, pode desenvolver hematomas com intensidades diferentes, de acordo com a predisposição individual, com duração que varia de cinco a sete dias.

LEIA TAMBÉM: