Foto: Divulgação

Coronavírus

28 DE FEVEREIRO DE 2020

Dois casos suspeitos em Santos são descartados. Mas outro surge

Com o descarte de 2 casos, mas o surgimento de um novo – uma mulher de 75 anos, a Baixada Santista tem, no momento, quatro casos investigados.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Santos descartou, no início da tarde desta sexta-feira (28), dois casos suspeitos do novo coronavírus a partir da chegada dos resultados de exames do Instituto Adolfo Lutz, laboratório de referência do estado de São Paulo.

Os exames não detectaram a presença do vírus Covid-19 no material analisado.

Os casos se referem a mãe e filha, de 74 anos e 30 anos de idade, que chegaram da Itália no último dia 21.

Elas passaram por consultas e exames com médicos da rede pública, no último dia 26. Dessa forma, as pacientes passam a estar liberadas do isolamento domiciliar.

 

Novo caso suspeito

Nesta sexta-feira (28), a Seção de Vigilância Epidemiológica de Santos registrou mais um caso suspeito do novo coronavírus.

Trata-se de uma idosa de 75 anos, que esteve em viagem pela Itália e França, entre os dias 6 e 24 de fevereiro.

Ela começou a apresentar febre, tosse, cefaleia e coriza no dia de retorno ao Brasil e procurou uma unidade de saúde pública do Município, nesta quinta-feira (27).

Assim, o protocolo de atendimento foi seguido e o material coletado (nasofaringe) já seguiu para exame no Instituto Adolfo Lutz.

Dessa forma, a paciente segue em isolamento domiciliar.

Por sua vez, de acordo com o Instituto Adolfo Lutz, os resultados dos exames para o novo coronavírus são liberados em um prazo de até cinco dias úteis.

No entanto, nos últimos dias, unidades de saúde de Santos atenderam ainda a três moradores de Praia Grande que se tornaram casos suspeitos para o novo coronavírus.

Eles já estão relacionados à sua cidade de origem, sob acompanhamento da vigilância epidemiológica daquela localidade.

 

Sintomas

De acordo com os protocolos, são considerados suspeitos do Covid-19 as pessoas que apresentarem febre e, pelo menos, um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, alargamento das narinas na respiração, entre outros) e histórico de viagens para áreas de transmissão local nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas ou contato com casos suspeitos e/ou confirmados da doença.

A Itália está entre os países onde ocorre a transmissão interna da doença e o primeiro caso confirmado no Brasil é de uma pessoa que esteve neste país.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.